19.11.2015

É a arte que dá o nome a Deus

É a arte que dá o nome a Deus

Quando o escritor Paul Claudel faz a receção da poesia de Rimbaud, no seu processo de aproximação ao espiritual, dirá deste – e dizê-lo de um poeta é, de certa forma, dizê-lo de todo o artista – que é um místico selvagem. Os artistas são essa possibilidade do espírito em estado puro, essa mística prévia a qualquer organização. E, de facto, o espírito não pode viver sem a arte. Não conseguimos aceder à espiritualidade sem esse caminho preparatório que a própria arte é.

 

«Nada de portas blindadas na Igreja, tudo aberto!»: Papa Francisco orienta Jubileu da Misericórdia

«Nada de portas blindadas na Igreja, tudo aberto!»: Papa Francisco orienta Jubileu da Misericórdia

A porta deve proteger, certamente, mas não rejeitar. A porta não deve ser forçada, ao contrário, pede-se permissão, porque a hospitalidade resplandece na liberdade do acolhimento, e obscurece-se na prepotência da invasão. A porta abre-se frequentemente para ver se do lado de fora há alguém que espera, e talvez não tenha a coragem ou até a força de bater. Quanta gente perdeu a confiança, não tem a coragem de bater às portas do nosso coração cristão, das nossas igrejas, e estão aí, tirámos-lhes a confiança; por favor, isto não pode tornar a acontecer.

 

Cinema: “Deus não está morto” | VÍDEO |

Cinema: “Deus não está morto”

As palavras “Deus não está morto” descrevem perfeitamente as premissas deste filme, que tem por objetivo provar não apenas a existência de um ser superior, mas que esse ser age na vida dos crentes e dos não-crentes, de modo a aproximá-los dele. O filme segue a história do estudante Josh Wheaton, interpretado por Shane Harper, que frequenta um curso de filosofia ministrado pelo senhor Radisson (Kevin Sorbo), ateísta convicto, à imagem dos conteúdos curriculares que ensina.

 

Para melhor conhecer o Islão: O Profeta, Meca, Caaba, Medina, Jerusalém, Muçulmano

Para melhor conhecer o Islão: O Profeta, Meca, Caaba, Medina, Jerusalém, Muçulmano

O Profeta nasceu cerca de 570 E.C. [Era Comum] – a tradição islâmica aponta a data de 20 de abril de 571 (12 de abril de Rabi I, o terceiro mês do calendário árabe, no Ano do Elefante), como a efetiva data de nascimento. De seu nome completo Muhammad bin Abdil-lah bin Abdul Muttalib bin Háxime, “Maomé” tornou-se a forma mais corrente de identificação do Profeta. Seria filho de Abdullah e de Amina. O seu pai terá falecido pouco tempo antes do seu nascimento. Maomé terá conhecido a pobreza durante a sua infância e juventude.

 

Agenda para hoje

Agenda para hoje


Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura | Secretariado Nacional dos Bens Culturais | Secretariado Nacional das Comunicações Sociais
Anúncios