É novo » 19.2.2015

«Por favor, paremos, paremos um pouco, e deixemo-nos reconciliar com Deus»
Quanto é importante ouvir e acolher esse chamamento no nosso tempo. O convite à conversão torna-se então um impulso a regressar, como fez o filho da parábola [do filho pródigo], aos braços de Deus, Pai terno e misericordioso, a chorar nesse abraço, a confiar nele e a confiar-se a Ele.

Migratórios
As inquietações mais profundas, gravadas no nosso coração, fazem do homem um ser migratório. O homem tem ânsia de novas terras, de lugares sagrados, de territórios por descobrir, ambientes onde possa realizar o sonho antigo de um mundo melhor. E Deus deu-nos a bússola, dotou-nos de inteligência para ir mais longe. Está ao nosso alcance voar livremente, superando todas as tempestades até encontrar a terra prometida.

Comissão Justiça e Paz aplica a Portugal mensagem quaresmal do papa e aponta “conversões” a fazer
Cerca de dois milhões de portugueses estão em situação de pobreza ou na iminência dela. Continuamos a ser pressionados pelas imposições do norte da Europa. Nunca como agora precisamos de coesão social. No entanto cada um (ou cada comunidade), de um modo individualista, trata de si próprio e ignora o que se passa à sua volta, esquecendo que as soluções ou são globais… ou não há soluções.

«Hoje, mais do que nunca, é preciso voltar a trazer a fraternidade ao centro da nossa sociedade tecnocrática e burocrática»
Sabemos que quando a relação fraterna é destruída (…) abre-se o caminho a experiências dolorosas de conflito, de tradição, de ódio. A narrativa bíblica de Caim e Abel constitui o exemplo deste resultado negativo. Após a morte de Abel, Deus pergunta a Caim: “Onde está Abel, teu irmão?” É uma pergunta que o Senhor continua a repetir em cada geração. E infelizmente, em cada geração, não cessa de repetir-se também a dramática resposta de Caim: “Não sei. Serei eu o guardião do meu irmão?”.

Espiritualidade e cultura encontram-se na Quaresma e Tríduo Pascal em Braga
A espiritualidade e a cultura cristãs voltam a encontrar-se no programa para a Quaresma, Semana Santa e Tempo Pascal que o Cabido da Sé de Braga organizou para a cidade, em conjunto com outros organismos eclesiais e civis. Na mensagem para a Quaresma, o arcebispo bracarense frisa que as celebrações religiosas não se reduzem à sua «beleza exterior», e convida os «muitos turistas» que visitam a cidade durante a Semana Santa a aperceberem-se de que a Igreja «não se contenta em repetir tradições».

«A nossa orientação sexual não pode ser o nosso cartão de visita. O nosso cartão de visita é que todos somos irmãos»
É a fé que nos mantém na Igreja. A nossa orientação sexual não pode ser o nosso cartão de visita. O nosso cartão de visita é que todos somos irmãos. Antes de partirmos para o julgamento, temos de partir para o acolhimento. As pessoas homossexuais não precisam de uma pastoral especial; o que é preciso é acolher quem fugiu da Igreja.

Diálogo entre Igreja e sociedade mobiliza “Campanha da Fraternidade”
Essa Campanha procura lembrar que a Igreja está a serviço das pessoas, ela não quer privilégios. Até porque a Igreja é mais do que uma estrutura, ela é cada cristão, cada batizado, que está inserido na sociedade por meio do trabalho, das instituições e diversas ações. Queremos refletir essa presença da Igreja na sociedade.

Candida Bellotti, a mais idosa das religiosas, faz 108 anos
Nascida em Quinzano, Itália, a 20 de fevereiro de 1907, a irmã Candida consagrou-se há mais de 80 anos à espiritualidade de S. Camilo de Lellis (1550-1614), padroeiro dos doentes, enfermeiros e espaços de cura. Depois de entrar, em 1931, na Congregação das Ministras dos Enfermos de S. Camilo, tornou-se enfermeira em diversas cidades italianas. Desde o ano 2000 que vive em Lucca, na casa-mãe do instituto, onde continua a participar ativamente na vida comunitária.

Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura | Secretariado Nacional dos Bens Culturais | Secretariado Nacional das Comunicações Sociais

 

Anúncios