É novo » 6.2.2014

Mão na mão com o Infinito: Meditação sobre o Evangelho de Domingo
Marcos apresenta o relato da jornada-tipo de Jesus, ritmada sobre as suas três ocupações preferidas: mergulhar na multidão e curar, fazer com que as pessoas fiquem bem; mergulhar na fonte secreta da força, a oração; e daí regressar envolvido em Deus e anunciá-lo. Tudo parte da dor do mundo. E Jesus toca, fala, agarra as mãos. O milagre é, na sua beleza jovem, o início da boa nova, o anúncio de que é possível viver melhor, encontrar vida em plenitude, viver uma vida bela, boa, alegre.

Comissão Nacional Justiça e Paz diz que diálogo entre culturas e religiões é «urgente» e que liberdade de expressão «tem limites»
O texto salienta que «não podem confundir-se expressões marginais de fanatismo extremista, que instrumentaliza a religião islâmica em função de um projeto ideológico e político, com o sentir da maioria dos muçulmanos, nestes incluindo os que vivem em Portugal e os seus representantes». Por outro lado, a promoção «do encontro e da hospitalidade supõe a criação de condições materiais de vida conformes à dignidade humana», pelo que «tão urgente como o diálogo entre culturas e religiões é a remoção de fatores que conduzem à pobreza e exclusão social».

A Igreja é pobre e «salvação não é uma teologia da prosperidade», sublinha papa Francisco
No regresso dos discípulos, Jesus não os elogia enquanto pessoas capazes de grandes coisas, mas realça a humildade, assinalou o papa: «Quando tiverdes feito tudo o que devíeis fazer, dizei a vós mesmos: “Somos servos inúteis”. Este é o apóstolo». «E qual será o louvor mais belo para um apóstolo? “Foi um operário do Reino, um trabalhador do Reino”. Este é o louvor maior, porque está no caminho do anúncio de Jesus: vai e cura, protege, proclama este anúncio feliz e este ano de graça», caminho que faz com que o povo «reencontre o Pai» e suscite «a paz nos corações».

Henrique Leitão, Prémio Pessoa 2014, apresenta novo livro sobre Jesuítas e ciência em Portugal
Henrique Leitão, distinguido com o Prémio Pessoa 2014, vai apresentar a 10 de fevereiro o novo livro “Ciência, prestígio e devoção – Os Jesuítas e a ciência em Portugal”, de Francisco Malta Romeiras. Quando a Companhia de Jesus foi restaurada em Portugal, em meados do século XIX, a congregação percebeu que tinha de «ultrapassar as acusações de obscurantismo» resultantes das posições tomadas nos anos 1700 pelo Marquês de Pombal, para assim «reconquistarem a influência e o raio de ação» do passado, assinala a sinopse da obra publicada pela Lucerna.

Papa orienta Igreja católica na Grécia perante crise que atingiu o país «de modo particularmente duro»
O papa salientou que diante da «crise económico-financeira que atingiu de modo particularmente duro» a Grécia, os bispos católicos do país devem apelar «à confiança no futuro, contrastando a denominada cultura do pessimismo». A «diaconia [serviço] da fraternidade» por parte dos católicos gregos exige «a proteção e o reforço das tradições culturais e das raízes cristãs» da sociedade, a par da «abertura para os valores culturais e espirituais de que são portadores os numerosos migrantes, em espírito de sincero acolhimento», sem «distinção de raça, língua ou credo religioso».

Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura | Secretariado Nacional dos Bens Culturais | Secretariado Nacional das Comunicações Sociais

Anúncios