É novo » 24.12.2014

Natal: A história recomeça dos últimos
No Natal não celebramos uma recordação, mas uma profecia. O Natal não é uma festa sentimental, mas o juízo sobre o mundo e o novo ordenamento de todas as coisas. Naquela noite, o sentido da história tomou outra direção: Deus para o homem, o grande para o pequeno, do alto para baixo, de uma cidade para uma gruta, do templo para um campo de pastores. A história recomeça dos últimos.

Cantos tradicionais da Natividade (6): “Glória” | VÍDEO |

Presépios no Vaticano: Beleza e simplicidade | IMAGENS |
Na paróquia do Vaticano, Santa Ana, o presépio lembra a antiga Palestina. Entre os pastores foi colocada, em primeiro plano, uma figura evocativa de uma pessoa sem-abrigo, morta este ano, que durante um quarto de século participou na missa da manhã. Além desta recordação particular, o presépio responde a uma das insistências do papa: «A atenção às pessoas em dificuldade, aos pobres, não apenas pessoas que estão pobres de dinheiro, mas também pobreza a nível pessoal e espiritual», explicou o pároco.

Trecho «insuperável» de Mozart na missa da noite de Natal presidida pelo papa | VÍDEOS |
«Na música gosto muito de Mozart, obviamente. Aquele “Et incarnatus est” da sua Missa em Dó é insuperável: leva-te a Deus! Mozart preenche-me: não posso pensá-lo, devo ouvi-lo.» Foi com estas palavras, proferidas numa entrevista dada em 2013, que o papa se referiu ao trecho da Missa em Dó Menor de Mozart (1756-1791), que vai ser tocado e cantado esta quarta-feira na basílica de S. Pedro, no Vaticano, entre cantos gregorianos, na missa da noite de Natal, presidida por Francisco.

Nenhum papa falou assim em tempos recentes: Comentário sobre o discurso de Francisco à cúria do Vaticano
Nos tempos recentes nenhum papa falou como o papa Francisco. Ontem disse aquilo que pensa com franqueza, passando por cima de linguagens alusivas e estilo diplomático. Este discurso ecoa aquele que S. Bernardo – monge, todavia, não papa – ousou dizer no século XI ao papa e à sua corte: palavras que poucos souberam escrever ou proclamar sobre a correção dos vícios eclesiásticos nos momentos em que se tornava urgente uma reforma da Igreja “in capite et in corpore” [na cabeça e no corpo].

O Evangelho das imagens | IMAGEM |
Deus, que das alturas nos visita como sol nascente.

Anúncios