Papa sonha com Igreja que seja «mãe» numa sociedade cheia de «órfãos» de «afeto» e «gratuidade»

«O grande desafio da Igreja é tornar-se mãe: mãe», vincou esta segunda-feira o papa Francisco, no Vaticano, perante centenas de padres, catequistas e outros fiéis reunidos para a abertura do convénio eclesial da diocese de Roma. Os «planos pastorais» não devem ser a prioridade, mas estão ao serviço da «maternidade da Igreja», e se esta não for assumida, então torna-se «uma solteirona», e desta forma «não é fecunda», frisou o papa, que dedicou parte da sua intervenção à situação da família, refere a Rádio Vaticano. «Esta é a sociedade dos órfãos. Órfãos sem memória de família, porque, por exemplo, os avós estão longe, na casa de repouso, não têm aquela presença, aquela memória de família. Órfãos sem afeto» ou com «um afeto demasiado à pressa: o papá está cansado, a mamã está cansada, vão dormir. E eles permanecem órfãos. Órfãos de gratuidade», sublinhou. Continuar a ler…

Anúncios