Periferias ao centro: Ciganos têm de estar mais presentes na sociedade, diz papa Francisco

As populações ciganas «encontram-se nas margens da sociedade, e às vezes são vistas com hostilidade e suspeição», além de «estarem escassamente envolvidas nas dinâmicas políticas, económicas e sociais», afirmou hoje, no Vaticano, o papa Francisco. «Também o povo cigano é chamado a contribuir para o bem comum, e isto é possível com itinerários adequados de corresponsabilidade, na observância dos deveres e na promoção dos direitos de cada um», declarou na audiência aos participantes no encontro “A Igreja e os ciganos: anunciar o Evangelho nas periferias”. «São as pessoas menos protegidas que caem na armadilha da exploração, do acantonamento forçado e de diversas formas de abuso. Os ciganos estão entre os mais vulneráveis, sobretudo quando faltam as ajudas para a integração e a promoção da pessoa nas várias dimensões do viver civil», acrescentou. Continuar a ler…

Anúncios