Papa Francisco aponta caminhos para a comunicação da Igreja: Silêncio, diálogo, proximidade

A proximidade física mais do que digital, o silêncio, a reflexão crítica e, uma vez mais, a convicção de que a escuta da diferença e o diálogo devem ser linhas orientadoras para a Igreja católica são algumas das prioridades enunciadas pelo papa Francisco na sua primeira mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais. «Os muros que nos dividem só podem ser superados, se estivermos prontos a ouvir e a aprender uns dos outros. Precisamos de harmonizar as diferenças por meio de formas de diálogo, que nos permitam crescer na compreensão e no respeito. A cultura do encontro requer que estejamos dispostos não só a dar, mas também a receber de outros», indica. Francisco acentua que «o testemunho cristão não se faz com o bombardeio de mensagens religiosas, mas com a vontade de se doar aos outros através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana». À Igreja «não basta circular pelas “estradas” digitais, isto é, simplesmente estar conetados: é necessário que a conexão seja acompanhada pelo encontro verdadeiro. Continuar a ler…

Anúncios