«Um dos grandes desafios de hoje é evitar que o cristianismo perca fôlego, colocando-se à margem do ritmo social»

O arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, afirmou nesta Quinta-feira Santa que «um dos grandes desafios de hoje é evitar que o cristianismo perca o fôlego, colocando-se à margem do ritmo social». «Não podemos “perder por falta de comparência” aos campos onde se jogam as novas questões do Homem contemporâneo», vincou na Missa Crismal a que presidiu, na sé bracarense. Para os católicos, o mundo não «mete medo», sendo antes um apelo para que a Igreja esteja mais presente na sociedade: «Convida-nos a sair para estar em tudo o que é humano, descobrindo realidades onde, inconscientemente, ainda não chegamos». «Sinto no olhar das comunidades cristãs e do mundo que nos rodeia, nestes tempos difíceis que vivemos, o desejo de ver na Igreja o sinal de esperança que procuram naqueles que a servem», disse por seu lado o bispo do Porto. A homilia do patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, na sé lisboeta, acentuou igualmente a importância da ação cristã na sociedade, especialmente junto das pessoas mais desfavorecidas: «Levaremos muito a sério a centralidade dos pobres». Continuar a ler…

Anúncios