É novo » 6.2.2014

A Fortaleza (para além das crises)
É uma virtude a par das outras, mas, como e mais do que as outras virtudes cardeais, é também uma dimensão ou pré-condição para poder viver todas as outras virtudes quando se atua em contextos difíceis, e quando as condições difíceis se mantêm por muito tempo. É uma virtude que serve todas as outras, porque nos faz ir por diante quando falta reciprocidade. Por isso uma bela palavra que hoje recolhe muitos dos significados da fortaleza é resiliência, que diz também a capacidade de a pessoa não ceder, de se manter agarrada às paredes, de não escorregar nos diferentes declives da vida pessoal e civil. Por esta razão a fortaleza foi – e é – a salvação sobretudo dos pobres, que graças a ela conseguem muitas vezes resistir à injusta falta de recursos, direitos, liberdade, respeito. Fá-los resistir durante longas carestias, intermináveis ausências de maridos e filhos emigrados ou desaparecidos na guerra (existe uma relação especial entre a fortaleza e a mulher).

Francisco e o árduo caminho da inclusão
Estaremos longe de ver os efeitos que este surpreendente puxar pelo fio do novelo da Igreja desencadeará, mas com todos os que, como crentes, agnósticos ou ateus, aguardam com ansiedade poder sair da exclusão e abandono, o terceiro milénio da história da Igreja Católica não será certamente igual ao primeiro, muito menos ao segundo. A realidade de um “Deus” para lá das muralhas de qualquer fortaleza, a urgência e necessidade, no que concerne a governação biopolitica e tecnológica, do diálogo, da inclusão e da cooperação a todos os níveis, como desafios deste milénio, estarão, no meu entender, na base da (des)continuidade de outros eventos que outros hão de um dia ler e estudar em livros de história.

Casais que vivem juntos antes do casamento: As dúvidas de um pároco
«Oito casais de noivos estão a participar este ano no caminho para o matrimónio na minha unidade pastoral, sete dos quais vivem juntos. A realidade da convivência em comum é assaz difundida e quase generalizada, dado de facto que emerge também da comparação entre párocos.» Mesmo «entre os “próximos” – os regularmente praticantes, que fazem parte dos grupos ou associações católicas, as pessoas comprometidas como catequistas, animadores ou ao serviço da caridade – não faltam casais que escolhem a convivência pré-matrimonial». Estas são palavras do padre Antonio Cecconi di Calci, da cidade italiana de Pisa, numa longa carta dirigida a párocos, catequistas e agentes de pastoral publicada na mais recente edição da revista “Settimana”. A realidade dos casais que vivem em comum antes do casamento está também bem presente no relatório enviado pelos bispos alemães ao Vaticano, em resposta ao questionário do secretariado do Sínodo dos Bispos sobre a Família, que decorrerá em outubro.

Biblista católico e pastor evangélico falam sobre Jesus
O padre Joaquim Carreira das Neves, biblista e antigo professor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, e o pastor evangélico Tiago Cavaco vão juntar-se para uma conversa pública intitulada “Ler Jesus”. Contando também com a participação de António Marujo, jornalista especializado em temas religiosos, o encontro “organizado pela revista “Ler” e Livrarias Bertrand decorre a 13 de fevereiro, em Lisboa. «Ler Jesus, como ler Jesus?, que palavras dizem Jesus?, Ele está sempre no meio de nós?, existe um antes e um depois na vida de Jesus?» são algumas das questões que motivam o debate moderado pela jornalista Anabela Mota Ribeiro.

«É muito importante ir à missa ao domingo», sublinha papa Francisco, que explicou significado da Eucaristia
A Eucaristia «é um dom muito grande e por isso é muito importante ir à missa ao domingo», afirmou hoje o papa Francisco no Vaticano, durante a audiência geral semanal, em que prosseguiu a catequese sobre os sacramentos. «O que vemos quando nos reunimos para celebrar a Eucaristia, a missa, já nos faz intuir o que estamos para viver. Ao centro do espaço destinado à celebração encontra-se o altar, que é uma mesa, coberta por uma toalha, e isto faz pensar num banquete», referiu o papa, citado pela Rádio Vaticano. A explicação da geografia eucarística e do seu significado prosseguiu com a cruz, colocada «sobre a mesa», indicando que sobre o altar é oferecido o «sacrifício de Cristo», o «alimento espiritual» que se recebe «sob os sinais do pão e do vinho».

O Evangelho das imagens | IMAGENS |
Naquele tempo, Jesus chamou os doze apóstolos e começou a enviá-los dois a dois. Deu-lhes poder sobre os espíritos impuros e ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, a não ser o bastão: nem pão, nem alforge, nem dinheiro; que fossem calçados com sandálias, e não levassem duas túnicas.

— Agenda para hoje —

Lisboa
Debate: A mensagem económica e social do papa Francisco
Guilherme d’Oliveira Martins, Francisco Louçã, Francisco Sarsfield Cabral, Eduardo Vera-Cruz Pinto, Eduardo Paz Ferreira, António Manuel da Cruz Serra, Jorge Duarte Pinheiro, Diogo Costa Gonçalves
Auditório da Faculdade de Direito
9h30
Entrada livre mediante inscrição prévia, sujeita à capacidade do auditório
Para saber mais: Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal

Anúncios