É novo » 31.1.2014

Átrio dos Gentios debate moralidade, economia e sociedade secular no século XXI
A próxima edição do Átrio dos Gentios, instância da Igreja católica para o diálogo entre crentes e não crentes, que decorre em Budapeste a 4 e 5 de fevereiro, vai debater a moralidade, a economia e a sociedade secular no século XXI. A iniciativa é organizada localmente pela Conferência Episcopal da Hungria, em parceria com a Universidade Corvinus e a Universidade Católica Pazmány Péter, entidades que acolhem o evento. “Rumo a um regime totalitário da lei?”, “Questões morais na tecnologia de informação e biónica”, “O desencantamento da Economia, ou: Sentimentos morais em contexto secularizado”, “Dignidade humana, direitos e obrigações e ética ambiental” e “Pegada celestial” são os títulos de algumas das conferências.

Pontifício Conselho da Cultura lança inquérito sobre o estado da música sacra
O Pontifício Conselho da Cultura e a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, organismos da Igreja católica sediados no Vaticano, lançaram um inquérito sobre o estado da música sacra. A iniciativa, que tem uma «perspetiva pastoral», visa «todos» os aspetos ligados à música sacra, como liturgia, formação e concertos, com o propósito de refletir sobre os desenvolvimentos nos últimos 50 anos, após o Concílio Vaticano II (1962-1965). As 40 perguntas estão divididas em sete partes: “Formação dos cultores da Música para um serviço ministerial”, “Património musical”, “Cultura musical contemporânea” (a secção mais curta, com três questões), “Celebrações da Eucaristia, dos Sacramentos e da Liturgia das Horas”, “Composição” (o capítulo com mais perguntas, dez), “Coro” e “Instrumentos”.

Universidades católicas devem mostrar «harmonia entre fé e razão» e resistir à diluição da sua identidade, diz papa
As universidades católicas, «pela sua própria natureza, estão empenhadas em mostrar a harmonia entre fé e razão, e a evidenciar a relevância da mensagem cristã para uma vida humana vivida em plenitude e autenticidade», frisou hoje o papa. No encontro que teve no Vaticano com uma delegação da universidade norte-americana de Notre Dame, Francisco vincou que é «essencial um testemunho corajoso das universidades católicas no que diz respeito ao ensinamento moral da Igreja e à defesa da liberdade de manter esses ensinamentos». «Isto é importante: a identidade própria, como foi desejada desde o início. Defendê-la, conservá-la, fazê-la avançar», afirmou.

Patriarca de Lisboa pede aos «servidores da justiça» para se deixarem iluminar pela «inspiração bíblica»
«Deixai-vos iluminar, de facto, pela inspiração bíblica, cada vez mais acolhida no coração e na inteligência, donde promane uma justíssima vontade», pediu esta quarta-feira o patriarca de Lisboa aos «servidores da justiça». As palavras de D. Manuel Clemente, publicadas no site do Patriarcado, foram proferidas na sé patriarcal lisboeta, durante a missa de abertura do novo ano judicial. O prelado mostrou-se convicto de que os agentes judiciais são «especiais colaboradores» do «Deus da justiça e da paz», para que estas «se pratiquem no mundo». O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa lembrou que «a Igreja serve a sociedade como “inspiração” e aproxima-se da justiça humana para lhe oferecer o que acredita convictamente ser uma divina potenciação».

Papa Francisco diz que «amar Cristo sem a Igreja» é uma «dicotomia absurda»
O papa Francisco afirmou hoje, no Vaticano, que é uma «fantasia» pensar que se pode manter uma relação próxima com Cristo ao mesmo tempo que se ignora ou menospreza a pertença à Igreja. «Não se compreende um cristão sem Igreja. E por isso o grande [papa] Paulo VI dizia que é uma dicotomia absurda amar Cristo sem a Igreja, escutar Cristo sem a Igreja, estar com Cristo à margem da Igreja. Não se pode», vincou na homilia da missa a que presidiu, segundo a Rádio Vaticano. O primeiro dos três pilares da pertença à Igreja é a «humildade»: «Uma pessoa que não é humilde, não pode sentir com a Igreja, sentirá aquilo que lhe agrada», apontou o papa. O segundo alicerce da pertença eclesial é a «fidelidade» à Igreja, «ao seu ensinamento», ao «Credo» e à «doutrina», que deve ser protegida: «Humildade e fidelidade». Por fim, o papa vincou a importância de «rezar pela Igreja».

O Evangelho das imagens | IMAGENS |
«O reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra. Dorme e levanta-se, noite e dia, enquanto a semente germina e cresce, sem ele saber como. A terra produz por si, primeiro a planta, depois a espiga, por fim o trigo maduro na espiga. E quando o trigo o permite, logo se mete a foice, porque já chegou o tempo da colheita.»

Maupal, criador do grafito do “SuperPapa”: Não vou à igreja mas gosto de Francisco; é o único a usar o poder para o bem
Na segunda-feira, com a escuridão a seu favor («em teoria é uma ação ilegal, faz-se sempre de noite»), Mauro Pallota, pintor de profissão, artista de rua por paixão, desenhou na parede de uma das ruas de Roma, a dois passos do Vaticano, o “SuperPapa”. «Precisamente pela empatia que consegue criar à sua volta, o papa é muito pop, e quis desenhá-lo pop, como numa banda desenhada. Os superpoderes de que o dotei representam o enorme poder de que dispõe, que ele usa, o único líder no mundo, para fazer o bem. É o único que faz aquilo que diz e diz aquilo que faz.» «Os heróis das bandas desenhadas americanos descendem dos da mitologia grega, e eu quis interpretá-lo nessa chave, mas com toques de humanidade, como o cachecol da equipa argentina do San Lorenzo, por quem ele torce, os sapatos velhos e aquela mala preta de que nunca se separa.»

“À procura de Deus”: Fotógrafo segue rituais e orações de cristãos, muçulmanos e sikhs | IMAGENS |
“À procura de Deus” é um «trabalho fotográfico subordinado ao tema religião e à forma como três religiões diferentes promovem as suas celebrações», explica o fotógrafo Duarte Silva na sua página. Ao longo de três meses, o autor acompanhou no Porto as orações, gestos, e rituais de crentes muçulmanos, sikhs e cristãos da Igreja ortodoxa, bem como os seus espaços e símbolos. A série de 21 imagens, que constituiu o trabalho final no curso profissional do Instituto Português de Fotografia, procura «estabelecer semelhanças e diferenças na busca de alguma proximidade a Deus», diz Duarte Silva, psicólogo clínico, citado pelo jornal “Público”.

— Agenda para hoje —

Porto
Música: Concerto
Coro de S. Veríssimo
Igreja do Corpo Santo de Massarelos
21h30
Entrada livre

Anúncios