É novo » 17.1.2014

Jornadas de Teologia desafiam a imaginar a Igreja do futuro
“Imaginar a Igreja – Sinodalidade, Colegialidade, Ministério de Pedro” é o tema geral das Jornadas de Estudos Teológicos que a Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa) realiza de 26 a 28 de fevereiro. A iniciativa pretende «partir da situação atual, fruto da receção do Concílio, e olhar para o futuro tanto no que respeita à vivência da sinodalidade e da colegialidade na Igreja, como em relação aos desafios que se apresentam ao exercício do ministério do Bispo de Roma numa Igreja em contexto de mundialização», refere o site da faculdade. «A sinodalidade como dimensão estrutural da vida da Igreja a nível universal, das Igrejas locais e das comunidades cristãs» ocupará duas conferências e dois painéis, enquanto que as questões relativas à colegialidade episcopal serão refletidas no segundo dia de trabalhos.

Ser cristão é um êxodo permanente
«Embora na pluralidade das estradas, toda a vocação exige sempre um êxodo de si mesmo para centrar a própria existência em Cristo e no seu Evangelho. Quer na vida conjugal, quer nas formas de consagração religiosa, quer ainda na vida sacerdotal, é necessário superar os modos de pensar e de agir que não estão conformes com a vontade de Deus. É “um êxodo que nos leva por um caminho de adoração ao Senhor e de serviço a Ele nos irmãos e nas irmãs”.» O Vaticano divulgou esta quinta-feira a mensagem do papa para o 51.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que se assinala a 11 de maio, no qual Francisco sublinha que qualquer estado de vida cristã implica sair de si mesmo, ao encontro de Deus e do ser humano.

A coleção de ícones orientais do Museu de Belas Artes de Paris | IMAGENS |
Após a queda do Império Bizantino, ocorrida em 1453 com a tomada de Constantinopla pelos Otomanos, a produção de ícones não parou. Nos antigos países do Império e nas regiões da periferia, nomeadamente Grécia e Balcãs, as Igrejas e os fiéis das comunidades cristãs ortodoxas continuaram a requisitá-los. Estas pinturas sobre madeira e fundo dourado, representando Cristo, a Virgem ou santos, eram indispensáveis à prática da fé. Novos espaços de produção viram o dia, como em Creta, onde vários artistas de Constantinopla se refugiaram. A Rússia, por seu lado, tornou-se a nova potência guardiã da herança ortodoxa. A coleção de mais de 70 ícones foi legada ao Petit Palais – Museu de Belas Artes de Paris por Roger Cabal, industrial de origem argelina. Apaixonado pela arte ortodoxa, começou a constituir nos anos 60 uma coleção de ícones pós-bizantinos variada em temas e origens geográficas.

Papa Francisco lamenta «escândalos» na Igreja e padres que dão alimento espiritual «envenenado» aos fiéis
O papa Francisco lamentou esta quinta-feira, no Vaticano, os «escândalos» protagonizados por padres católicos, no mesmo dia em que pela primeira vez um representante da Santa Sé responde nas Nações Unidas, em Genebra, sobre casos de abusos de menores praticados por sacerdotes ou religiosos. «Muitos escândalos que não quero mencionar singularmente, mas todos os sabemos… Sabemos onde estão. Escândalos, alguns que obrigaram a pagar muito dinheiro: está bem! Deve fazer-se assim… A vergonha da Igreja! Mas estamos envergonhados daqueles escândalos, dessas derrotas de padres, de bispos, de leigos?», questionou, citado pela Rádio Vaticano. Francisco apontou a escassez de oração como causa principal desses atos: «A Palavra de Deus naqueles escândalos era rara. Não tinham um laço com Deus. Tinham uma posição na Igreja, uma posição de poder, também de comodidade. Mas a Palavra de Deus, não».

Mário Soares encerra encontro sobre médico Alfredo Ribeiro dos Santos organizado pela Universidade Católica
Mário Soares, ex-presidente da República, encerra esta sexta-feira a primeira sessão do ciclo “Porto Culto do Século XX”, que o Centro de Estudos do Pensamento Português da Universidade Católica Portuguesa (UCP) dedica a Alfredo Ribeiro dos Santos. O ciclo, organizado em parceria com o Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pretende realçar figuras do Porto que, «pela sua criatividade, nas mais diversas áreas» abriram «os horizontes da Cultura a uma superior forma de Humanismo», lê-se no site da Faculdade de Teologia da UCP (Porto). «Com uma vida já longa e uma magnífica lucidez, deixou sempre, por onde passou, um rasto de simpatia, de humanidade, de aprumo pessoal e de respeito verdadeiramente invulgares», escreveu Mário Soares, em 2007, sobre Alfredo Ribeiro dos Santos (1917-2012), médico, tradutor, escritor e investigador.

O Evangelho das imagens | IMAGENS |
Quando Jesus entrou de novo em Cafarnaum e se soube que Ele estava em casa, juntaram-se tantas pessoas que já não cabiam sequer em frente da porta; e Jesus começou a pregar lhes a palavra. Trouxeram-Lhe um paralítico, transportado por quatro homens; e, como não podiam levá-lo até junto dele, devido à multidão, descobriram o teto, por cima do lugar onde Ele se encontrava e, feita assim uma abertura, desceram a enxerga em que jazia o paralítico. Ao ver a fé daquela gente, Jesus disse ao paralítico: «Filho, os teus pecados estão perdoados».

A Igreja em Portugal e no mundo: síntese de 16.1.2014

— Agenda para hoje —

Porto
Ciclo “Porto Culto do Século XX”: Alfredo Ribeiro dos Santos
Maria Celeste Natário, Jorge Cunha, Paulo Samuel, Hugo Monteiro, Rui Gil da Costa, Arnaldo Saraiva, Arnaldo de Pinho, Henrique Lecour, Castro Ribeiro, Alexandre Teixeira Mendes, Luís Garcia Soto, Paulo Ferreira da Cunha, Renato Epifânio, Teresa Roca Sánchez
Palacete dos Viscondes de Balsemão
Para saber mais: Pastoral da Cultura

Lisboa
Conferência: Crer e pertencer: novas sociabilidades e desafios eclesiais
Alfredo Teixeira, José Eduardo Borges de Pinho
Centro Cultural Franciscano
21h15
Entrada livre
Para saber mais: Pastoral da Cultura

Póvoa de Santo Adrião
Conferência: Deus na literatura portuguesa contemporânea
Jorge Paulo
Auditório do Centro Paroquial (Rua Mouzinho de Albuquerque, junto à igreja)
21h30
Entrada livre

Anúncios