É novo » 12.9.2013

Papa Francisco escreve carta a quem não crê em Deus
Ir ao encontro dos outros e dialogar com os que não partilham a mesma fé e as mesmas crenças tem sido uma proposta do papa Francisco, desde o início do seu pontificado. Esta atitude foi uma vez mais manifestada numa carta que endereçou ao jornalista fundador do diário “La Reppublica”, um dos mais importantes jornais de Itália. «Pergunta-me se o Deus dos cristãos perdoa àqueles que não creem e não procuraram a fé», escreve o papa, que coloca como premissa o facto de que «a misericórdia de Deus não tem limites, se uma pessoa se Lhe dirige com coração sincero e contrito». «Entre a Igreja e a cultura de inspiração cristã, de um lado, e a cultura moderna de inspiração iluminista, de outro, instaurou-se a incomunicabilidade. Chegou o tempo, e o Vaticano II inaugurou esta nova estação, de um diálogo aberto e sem preconceitos capaz de reabrir as portas para um verdadeiro e fecundo encontro», frisa Francisco.

Investigação: História da Igreja de Lamego
O padre Joaquim Correia Duarte, membro da Academia Portuguesa de História, é o autor da “História da Igreja de Lamego”, volume com mais de 700 páginas que abarca temas como as origens, espaços, instituições e espiritualidade. Na sessão de apresentação, que decorreu em julho, o bispo diocesano, D. António Couto, felicitou o autor, sacerdote da diocese lamecense, por se ter envolvido numa «teia de muitos séculos, de muitos fios, de muitos nomes e de muitos acontecimentos». A obra, que o prelado considera um instrumento «indispensável» para se poder aceder à identidade da diocese, situa os leitores no final «de um longo e intenso caudal de vida cristã e de cultura». «É assim que este livro é um rio, cujo caudal mingua ou engrossa, não em linha reta, mas atravessando outeiros e vales, arrastando toda a espécie de bens materiais, culturais e espirituais, que adubam os nossos campos e enriquecem a nossa vida cultural e eclesial», apontou D. António Couto. Leia excertos da introdução e conheça os temas investigados.

Anunciar o Vaticano III ou continuar o Vaticano II?
A ideia do Vaticano III talvez tenha sido defendida pela primeira vez há 36 anos, em 1977, quando teólogos ligados à revista “Concilium”, reunidos nos Estados Unidos da América, entre eles, Hans Küng, Edward Schillebeeckx, Giuseppe Alberigo e Rosino Gibellini, apontaram como prioritários temas do eventual Concílio os seguintes: renúncia do Papa aos 75 anos de idade; carácter deliberativo do Sínodo dos Bispos e não meramente consultivo; abolição do celibato dos padres católicos; e reconhecimento do papel da mulher, equiparado ao homem, na Igreja, incluindo o acesso ao sacerdócio ministerial. Alguns continuam, ainda hoje, e com mais frequência, a defender o Vaticano III, exigindo que vá mais além do que o Vaticano II, enquanto outros consideram que o Vaticano II continua inconciliável com a tradição católica.

Diretor da Faculdade de Teologia orienta «formação avançada» sobre o “Apocalipse”
O diretor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, padre João Lourenço, orienta entre outubro e dezembro uma «formação avançada» sobre o “Apocalipse”, o último livro da Bíblia. Um dos temas a estudar é a «simbologia e figurações»: «Simbologia como forma narrativa; as figurações e a cultura semita e judaica. O Apocalipse como “representação teológica”. O tempo e o espaço no contexto da apocalíptica como critérios de interpretação da História da Salvação». A análise de alguns dos textos do livro, a apresentação de «perspetivas teológicas» do Apocalipse, o seu enquadramento na teologia do Novo Testamento e a revelação do que o texto oferece de «singular para a vivência cristã» concluem a lecionação. Conheça o programa do curso.

Centro de Cultura Católica exibe documentário sobre “Jesus de Nazaré” | VÍDEO |
“Jesus de Nazaré” propõe uma viagem aos arquivos que conservam as mais antigas cópias dos Evangelhos, como a Biblioteca do Vaticano, a Biblioteca do Mosteiro de Montserrat e o Museu do Livro de Israel. O documentário, realizado pela realizadora espanhola Maite Carpio, centra-se também na Terra Santa, à descoberta da arqueologia, paisagens e lugares onde Jesus viveu. O filme analisa algumas das mais recentes descobertas ligadas a Jesus e conta com depoimentos de especialistas na Bíblia, como o cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho da Cultura, e o escritor Erri de Luca.

Papa Francisco lembra que «todos somos Igreja» e pede compromisso no testemunho cristão | IMAGENS |
«A fé é um ato pessoal: “eu creio”, eu respondo pessoalmente a Deus que se faz conhecer e quer estabelecer amizade comigo. Mas eu recebo a fé dos outros, numa família, numa comunidade que me ensina a dizer “eu creio”, “nós cremos”. Um cristão não é uma ilha! Nós não nos tornamos cristãos em laboratório, nós não nos tornamos cristãos sozinhos e com as nossas forças, mas a fé é um presente, é um dom de deus que nos é dado na Igreja e através da Igreja.» «Amamos a Igreja como se ama a própria mãe, sabendo também compreender os seus defeitos? Todas as mães têm defeitos, todos nós os temos. Mas quando se fala dos defeitos da mãe, nós protegemo-la, amamo-la… E a Igreja também tem os seus defeitos. Amo-a, como à minha mãe? Ajudamo-la a ser mais bela, mais autêntica, mais de acordo com o Senhor?» Excertos da intervenção do papa Francisco na audiência geral.

Anúncios