É novo » 3.9.2013

Descobrir S. Gregório Magno: de prefeito a bispo de Roma, servo dos servos de Deus
O Papa São Gregório, que foi Bispo de Roma entre 590 e 604, e que mereceu da tradição o título de Magnus/Grande, foi um dos maiores Padres da história da Igreja, um dos quatro Doutores do Ocidente. Ao lado da ação meramente espiritual e pastoral, o Papa Gregório tornou-se protagonista ativo também de uma multiforme atividade social. Com os rendimentos do conspícuo património que a Sé romana possuía na Itália, especialmente na Sicília, comprou e distribuiu trigo, socorreu quem estava em necessidade, ajudou sacerdotes, monges e monjas que viviam na indigência, pagou resgates de cidadãos que caíram prisioneiros dos Longobardos, comprou armistícios e tréguas. No seu coração, Gregório permaneceu um simples monge e por isso era decididamente contrário aos grandes títulos. Ele queria ser, como costumava escrever sob a sua assinatura, “servus servorum Dei” (servo dos servos de Deus). Esta palavra por ele cunhada não era uma fórmula piedosa, mas a verdadeira manifestação do seu modo de viver e de agir.  A Igreja evoca-o a 3 de setembro.

“História de um padre”: coprodução conta vida do papa Francisco desde a infância à eleição
O ator argentino Rodrigo de la Serna foi escolhido para interpretar o papel do papa Francisco, num filme do realizador Alejandro Agresti (n. 1961). O filme intitulado “História de um padre”, que por agora junta produtoras da Argentina e Espanha, contará a vida do antigo arcebispo de Buenos Aires desde a infância até à eleição para papa, a 13 de março. Alejandro Agresti revelou à revista “Variety” que a narração será contada em “flashbacks” e “flash-forwards”, à medida que o cardeal Bergoglio voa para Roma e participa no conclave que o haveria de eleger papa.

A nova igreja da Imaculada Conceição: fotografias (2) | IMAGENS |
O bispo de Lamego, D. António Couto, dedicou a 25 de agosto a igreja da Imaculada Conceição, em Resende, com um rito que, durante a missa, começou após a Profissão de Fé (Credo). Foram entoadas as ladainhas dos santos, a que se seguiu a oração da dedicação da igreja. Depois, o prelado o ungiu o altar com o óleo do crisma, como sinal de consagração e santificação, e pediu aos párocos que realizassem o mesmo procesimento nas paredes de ambos os lados, como sinal de consagração de todo o edifício. Em seguida, o fogo foi levado ao altar numa braseira. As brasas foram colocadas em dois turíbulos, para que os párocos incensassem a assembleia e a igreja. D. António Couto incensou depois o altar, que a seguir recebeu a toalha, velas e flores e ganhou nova beleza e alegria.

A rotina diária da meditação
Temos poucos momentos livres. Temos poucos espaços na vida em que não sabemos o que fazer. Ou, então, temos tempo de mais e também não sabemos como ocupá-lo. Não raramente se vivencia a experiência de que quanto mais tempo se tem mais tempo se perde. No entanto, todos sabemos que são os que mais ocupação têm que mais solicitações «sofrem». E, quase sempre, arranjam forma de lhes responder afirmativamente.

A Igreja em Portugal e no mundo: síntese (2.9.2013)
Papa em Assis: pobres e S. Francisco dominam programa da visita | Um cristão não pode ser antissemita, diz papa Francisco | Papa emérito presidiu a missa com antigos alunos | Cáritas da Áustria organiza peditório em favor dos refugiados da Síria | Padre romeno vítima do regime comunista foi beatificado | Cáritas ensina a «poupar e empreender» | Líder espiritual do Islão na Síria quer ir ao Vaticano participar na vigília de oração pela paz anunciada pelo papa.

A música da Irmã Tsegué-Maryam Gebru | ÁUDIO |

Anúncios