É novo » 10.6.2013

Jornada Nacional da Pastoral da Cultura: inscrições abertas

Portugal e os portugueses: o olhar de D. Manuel Clemente, novo patriarca de Lisboa
Um bom indício do modo como nos relacionamos com Portugal são as nossas autofigurações, as feitas e as por fazer. Quanto às feitas, reparemos em duas, uma popular e outra erudita. A popular é certamente o Zé Povinho. Desde que Bordalo a pintou, foi constantemente reproduzida e encontramo-la em todo o lado. Mas que significa ao certo? Ignorância ou esperteza? De tudo um pouco, como se tem dito e escrito, em análises rápidas ou de maior fôlego. A erudita encontra-se nos painéis de Nuno Gonçalves. Quando foram, também eles, «descobertos», logo atraíram como um íman uma atenção crescente e vivaz. Passou um século e continuam a olhar-nos, com aquelas dezenas de olhos que nos perscrutam e avisam, não sabemos bem de quê.

“À procura de Sugar Man”: a paixão pela música e o desapego à fama de um ícone da luta contra o apartheid | VÍDEO + IMAGENS |
No final da década de 60, Sixto Rodriguez é um músico incógnito, de origem mexicana, que deambula entre o nevoeiro das noites de Detroit, dedilhando uma invulgar combinação de melodias na sua guitarra. Descoberto por um notável da indústria musical, que além da guitarra lhe adivinha um potencial de voz igualmente raro, acaba contratado pela então ascendente Motown. O equilíbriodeste documentário, gerido com grande sensibilidade e profundidade, resulta da capacidade de conjugar, numa justíssima medida, duas componentes essenciais: a investigação jornalística e a redescoberta, aprofundada, da pessoa em si, num registo narrativo que reata (mais do que reabilita ou homenageia) a relação deste homem com o público – devolvendo-o agora, pela via cinematográfica, ao universo que sempre teria merecido. Vencedor do BAFTA, do Óscar para Melhor Documentário e do Prémio Cinema for Peace, coleciona prémios e nomeações do público e da especialidade nos mais prestigiados festivais, um pouco por todo o mundo.

Anúncios