É novo » 22.5.2013

“A fé vive de afeto”: José Frazão Correia na Jornada Nacional da Pastoral da Cultura
«Milagre é o encontro. Tão necessário como a água. Tão precioso como os poços no deserto. Nós que nos multiplicamos em infinitos contactos, não é fácil nem frequente que nos encontremos, tantas são as indiferenças e os cálculos, os desacertos e os desenganos com que desenhamos as nossas relações. Mesmo as mais próximas. Fazemos quase tudo e damos tanto para nos atrairmos mutuamente. Mas, logo que nos aproximamos, já não nos suportamos. Sobretudo, não suportamos o-espaço-aberto-entre-nós, esse lugar que precede e que excede, a ti e a mim, sem ser propriedade tua nem minha, para implicar a ambos em algo maior e, ainda, inédito.» José Frazão Correia, professor da Faculdade de Teologia, é um dos intervenientes na 9.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura, dedicada ao tema “Culturas Juvenis Emergentes”, que decorre a 21 de junho em Fátima. É da sua autoria o novo livro “A fé vive de afeto – Variações sobre um tema vital”, de que adiantamos um excerto.

Um novo cálice para o papa Francisco | VÍDEO |
O papa Francisco recebeu esta terça-feira um cálice criado pelo compatriota Adrián Pallarols, pertencente a uma conhecida linhagem de ourives argentinos. «O cálice que lhe dei é pequeno porque conheço bem Bergoglio. Conheço a sua humildade, a sua simplicidade. Mas asseguro que a intensidade de amor por ele que trago comigo é enorme», afirmou o artista, citado pelo jornal da Santa Sé, “L’Osservatore Romano”. No cálice prateado oferecido ao papa (ver vídeo), simples e sóbrio, estão presentes referências às devoções cristãs partilhadas por ambos: Santa Teresa de Lisieux, com uma rosa, a Virgem Maria e a vida de pobreza e humildade. Quatro cardos, comuns no país, destacam «a alma do povo»: «As flores são muito fortes, duram muito tempo e a todas as intempéries, como os argentinos sempre resistiram à adversidade».

Papa diz que luta pelo poder na Igreja começou ao tempo de Cristo e sublinha que «humilhação» é a melhor «promoção» | IMAGENS |
«A luta pelo poder na Igreja não é coisa destes dias», tendo começado a partir de Cristo, afirmou hoje o papa Francisco na missa a que presidiu na Casa de Santa Marta, no Vaticano. À luz da «chave evangélica de Jesus» a «luta pelo poder na Igreja não deve existir», dado que, de acordo com o «ensinamento» de Cristo, a verdadeira soberania reside no «serviço», afirmou. A vida de Cristo constituiu «um serviço da cruz» que deve ser assumido por quem o deseja seguir: «Para o cristão, andar em frente, progredir, significa baixar-se. Se não aprendemos esta regra cristã, nunca, nunca poderemos compreender a verdadeira mensagem de Jesus sobre o poder».

— Agenda para hoje —

Universidade Católica organiza primeiro seminário sobre redenção e escatologia no pensamento português
A iniciativa enquadra-se no desenvolvimento dos temas na cultura portuguesa «ao nível da reflexão filosófico-religiosa e da representação artístico-literária, desde o período que antecedeu a formação da nacionalidade até à contemporaneidade». Os intervenientes vão procurar apresentar alguns dos temas e autores «mais significativos» do pensamento, da espiritualidade e do imaginário português durante a Idade Média no âmbito do juízo final, da salvação, da redenção, do inferno e do paraíso.

Anúncios