É novo » 10.4.2013

Manuel Fúria: Venha a Igreja ao encontro dos jovens | VÍDEO |
A Igreja, pelo menos a Igreja hierárquica, sempre foi de um tempo ausente, procurando imunidade aos ricochetes do mundo, dirigindo-se sempre para a sua vocação de esposa e corpo de Cristo. Parece-me que a resposta e o desafio é precisamente o cumprimento dessa vocação. Se o desafio é grande, paradoxalmente, é simples na procura da disponibilidade e do silêncio de Maria contrapondo o voluntarismo de Marta, sob o risco de penar uma infantilização de si própria se escolher as máscaras do mundo para se aproximar destas realidades. Essas máscaras não são precisas para chegar ao íntimo de cada um de nós.

Gerar na fé é uma tarefa cultural
Os jovens, de quem os sociólogos sublinham a estranheza à fé, são filhos de adultos que deixaram de dar espaço à própria fé cristã: continuam a pedir os sacramentos da fé, mas sem fé nos sacramentos; levam os filhos à Igreja mas não levam a Igreja aos seus filhos; favorecem o ensinamento da religião mas reduzem a religião a uma simples questão escolástica. Pedem às suas crianças para rezarem e irem à missa mas muitas vezes nem a sua sombra se vê na Igreja. E, sobretudo, os mais novos não encontraram os pais na oração ou na leitura do evangelho.

Jesus Cristo: perfil de um comunicador fascinante
Cristo estabelece uma comunicação pessoal, direta, aberta à relação, fundada sobre o «tu» do outro que se encontra com Ele. Não é um guru que profere oráculos, nem um intelectual sofisticado e desdenhoso, nem um mestre esotérico. Além disso, Jesus aprecia tudo o que é concreto e essencial. Não fala por cima do ombro aos seus interlocutores, não se perde em banalidades, mas aponta para as expectativas decisivas, para as perguntas inquietantes, para as verdades últimas que explicam o presente. Cristo é, além disso, um anunciador global: não é um intelectual que confia apenas na mente e nas letras, mas também não é apenas um agente sociopolítico. Palavras e sinais, mensagem e ação, espírito e corporeidade estão unidos entre si numa revelação integral que conhece a proximidade total do outro.

Igreja Católica une obras-primas da música sacra ao património natural e cristão português | IMAGENS |
A iniciativa revela a supremacia dos notáveis intérpretes que tornarão os monumentos religiosos do Baixo Alentejo, já bem conhecidas pela riqueza artística e acústica, um palco privilegiado para escutar obras-primas de Mozart, Pergolesi, Machaut, Haydn, Schönberg, Takemitsu e Ligeti, entre outros. Esta viagem cultural, que passa por Almodôvar, Santiago do Cacém, Grândola, Vila de Frades, Beja, Castro Verde, Carvalhal e Sines, ao associar de forma direta a música ao património da região, traz outro fôlego a igrejas notáveis mas que, em tempos de dificuldades, clamam pela sua preservação.

Cardeal Jorge Bergoglio, papa Francisco: O pior que nos pode acontecer é optarmos pelo desalento
A paralisação adoece-nos a alma, arrebata-nos a memória e tira-nos a alegria. Faz-nos esquecer que fomos eleitos, que somos portadores de promessas, que estamos marcados por uma aliança divina. A paralisação priva-nos da surpresa no encontro, impede de nos abrirmos à “Boa Notícia”. E hoje precisamos de voltar a escutar esta Boa Notícia: «Não está aqui. Ressuscitou». Necessitamos desse encontro que destrói as pedras, rasga os selos e nos abre um novo caminho, o da esperança. O mundo necessita desse encontro, este mundo que se converteu num cemitério. A nossa pátria precisa dele. Necessita do anúncio que levanta, da esperança que impele a caminhar, dos gestos de misericórdia.

Festival Tramontana apresenta resultado de residência artística em artes multimédia baseada no património imaterial religioso
O sacro é um elemento central das comunidades rurais do maciço da Gralheira, São Pedro do Sul. A relação entre práticas sagradas e a vida quotidiana rural é de tal forma próxima e autêntica que é impossível pensar estas comunidades de forma alheada aos temas religiosos. Não obstante as transformações aceleradas destes territórios rurais, continua a existir uma forte adesão das populações, não só as mais idosas nas também as mais jovens, à igreja, o que poderá surpreender muitas pessoas tendo em conta o secularismo crescente das sociedades contemporâneas.

João Canijo prepara filme inspirado nas peregrinações a pé a Fáitma
“Caminhos da Alma”, de João Canijo, centrado na peregrinação de um grupo de mulheres de Bragança até Fátima, é um dos filmes contemplados pelo concurso de apoio à produção de 2011, homologados em março pela Secretaria de Estado da Cultura. O filme vai cruzar a ficção com o documentário, numa rodagem que pretende ser um foot-movie, explicou o realizador: «Será ficção mas não exactamente ficção. A ideia é misturar o percurso dessas mulheres com o documental que se encontrar no caminho».

Anúncios