É novo » 9.4.2013

Carminho e os desafios que as culturas juvenis colocam à Igreja Católica
Inspirada pelas palavras de Bento XVI sou devolvida à pergunta com a certeza de um ponto de partida: Existem inúmeras e cada vez mais culturas juvenis. São uma pluralidade de existências e urgem por se fazer ouvir e respeitar. Somos todos muito diferentes mas somos paralelamente diferentes, igualmente descobridores do mundo, do saber, da beleza, do ser-se mais. Acresce a dificuldade de apaziguar, compreender e responder, proporcionalmente ao crescimento da diversidade, da criatividade e de um mundo “multiverso”. Os desafios surgem como consequência da corrente deste Rio que corre veloz mas nem sempre para a mesma foz.

“Lágrimas de Maria”, de Sofia de Medeiros, prossegue projeto “Indigências” de arte e intervenção social
A paróquia de S. José, em Ponta Delgada, inaugura este sábado a mostra “Lágrimas de Maria”, de Sofia de Medeiros, ao mesmo tempo que dá as boas vindas à nova estação com o “Concerto de Primavera”. «Em evocação às contas dos terços utilizados pelos romeiros nas suas peregrinações pela ilha de São Miguel, com “Lágrimas de Maria” a artista envolve-se de uma forma mais direta com os temas da religiosidade e da devoção, por si só uma novidade no já amplo espetro da representatividade do imaginário da cultura popular açoriana bem visível na sua obra». «Criar esta peça neste lugar foi uma viagem de regresso à minha infância, já que frequentava este local de culto com minha mãe, e fui-me apaixonando, de uma forma inconsciente, pela beleza do barroco que a talha dos seus retábulos contém», escreve a escultora.

“Quem és Tu, Senhor?”: ateus ou crentes, escritores ou filósofos, ninguém é indiferente a Cristo, diz presidente do Pontifício Conselho para a Cultura
O cardeal Gianfranco Ravasi fala de «uma adesão que nunca se esgotou ao longo dos séculos, atingindo picos absolutos. E, em termos especulativos, registam-se reações de veemente e violenta hostilidade, como o atesta, de modo exemplar, a história das perseguições e, de forma subtil e desconcertante, as apropriações hipócritas, interesseiras e funcionais das próprias instituições». «Neste livro pretendemos mostrar – embora de modo simplificado e apenas emblemático – como, na história da cultura, Jesus tem sido um “sinal” ineludível a ter em conta, a abraçar ou a rejeitar. O encontro com Ele, nunca nos pode deixar indiferentes: na relação com Ele está em jogo, com efeito, algo de significativo para a vida de cada um. Que significou esse encontro para quem se cruzou com Ele, durante a sua existência terrena ou, até, depois do acontecimento da ressurreição?»

Cardeal Jorge Bergoglio, papa Francisco: «Não esperes ser amado, ama primeiro»
«Dá o primeiro passo na tua família, dá o primeiro passo nesta cidade; faz-te próximo dos que vivem à margem do necessário para subsistir: cada dia são mais. Imitemos o nosso Deus, que nos precede e ama primeiro, realizando gestos de proximidade para os nossos irmãos que sofrem solidão, indigência, desemprego, exploração, falta de tecto, desprezo por serem migrantes, doença, isolamento entre os idosos. Dá o primeiro passo e leva, com a tua própria vida, o anúncio: Ele ressuscitou. Então colocarás, no meio de tanta morte, uma centelha de ressurreição, que Ele quer que tu leves. Então a tua profissão de fé será credível.»

Cardeal-patriarca sublinha que cristãos devem ter «coragem» de assumir todas as realidades e diz que papa vai inspirar mudanças nas dioceses portuguesas
O cardeal-patriarca afirmou esta segunda-feira que a Páscoa exige aos cristãos «a coragem de assumir todas as realidades criadas» à luz da ressurreição e sublinhou que os sinais dados pelo papa inspiram mudanças nas dioceses portuguesas. «Podemos falar de tudo, mas não devemos falar de nada sem iluminar a realidade com a luz pascal, que revela o verdadeiro sentido de todas as coisas», disse o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa. A reforma que Francisco vai «com certeza» implementar na Cúria pode inspirar mudanças na Igreja em Portugal: «Corrigir algo que também sentimos nas nossas dioceses que é dar prioridade à vitalidade pastoral, não deixando que a burocracia administrativa tome o primeiro lugar».

Unidade na multiplicidade: nova edição da revista “Communio” reflete sobre a catolicidade da Igreja
«Ao longo dos tempos – devido a vicissitudes históricas, a determinadas tendências culturais, etc. –, o conceito de catolicidade tem sido interpretado de várias maneiras, adquirindo conotações que frequentemente desvirtuam o seu sentido original. E levantam-se atualmente algumas questões sobre as quais se apresentam neste número propostas de reflexão: Qual a relação entre catolicidade e Igreja Católica Romana? Será a catolicidade um atributo exclusivamente da Igreja invisível? Como viver e entender o diálogo ecuménico neste contexto? A catolicidade será confundível com sincretismo de religiões?» Leia a apresentação dos textos desta edição, que também fala do Átrio dos Gentios, do Estado Social e do Padre António Vieira.

“Taxi Driver”: Martin Scorsese, Robert De Niro e Jodie Foster regressam para uma viagem à noite que procura o dia | IMAGENS |
Numa atmosfera em que realismo e irrealismo jogam um jogo simultaneamente dramático, profundamente triste e fascinante, “Taxi Driver” é uma obra imperdível do cinema que, longe de se circunscrever a um retrato psicológico inquietante, ou à mestria de um cineasta ou ator (o argumento de Paul Schrader e a direção fotográfica são alicerces sólidos na construção do filme) regista e reflete um período da história dos Estados Unidos com uma profundidade e originalidade assinaláveis.

Anúncios