É novo » 4.3.2013

Leitura: “A perseguição dos católicos na China”
Impressiona sobretudo o testemunho desta gente, provada, que nos educa, neste ano da fé, a olhar para o grande tesouro, para o único segredo, para a verdadeira fonte do Cristianismo: o próprio Cristo. O testemunho destes féis, que perante o seu sofrimento só se lamentam do silêncio e da indiferença dos cristãos do Ocidente, não nos deixam esquecer que também nós, herdeiros de uma grande tradição cristã, podemos sucumbir ao medo de perder o que nos é mais caro, a nossa liberdade, quando a percebemos contrária à fé.

Vaticano: as etapas que se seguem até à eleição do sucessor de Bento XVI | IMAGENS |
Esta segunda-feira, 4 de março, às 8h30, hora de Lisboa, reúne-se a primeira congregação geral, nome dado às reuniões com todos os cardeais. Estão convocados os 207 membros que compõem o Colégio Cardinalício, presidido pelo cardeal decano, Angelo Sodano. No dia do início do conclave, processo eleitoral conducente à eleição do novo papa, os cardeais são esperados pela manhã na basílica de S. Pedro para a celebração da “Missa Pro Eligendo Romano Pontifice”, eucaristia presidida pelo decano que antecede o escrutínio. Após a entrada na Capela Sistina o cardeal que preside ao conclave pronuncia um juramento, que contém, entre outros, o seguinte pronunciamento: «Prometemos, obrigamo-nos e juramos que quem quer de nós, que, por divina disposição, for eleito Romano Pontífice, comprometer-se-á a desempenhar fielmente o munus Petrinum de Pastor da Igreja universal e não cessará de afirmar e defender estrenuamente os direitos espirituais e temporais, assim como a liberdade da Santa Sé».

Bento XVI: na contramão de um catolicismo que prefere o poder ao serviço
As qualidades de Bento XVI, para além das vicissitudes humanas enfrentadas nas instituições todas, produzindo desafios relacionais e existenciais, traçaram para a Igreja horizontes que a capacitaram ainda mais no enfrentamento das questões fundamentais da fé no seu diálogo imprescindível com a razão. Um caminho exigente, na contramão de uma religiosidade entendida e vivida como mágica milagreira ou como lugar da conquista e de exercícios inadequados do poder que seduz, desfigura e distancia-se da condição de todos como servos da vinha do Senhor. Há de se recordar que Bento XVI, em 2005, dirigindo-se pela primeira vez à multidão presente na Praça de São Pedro, delineia a consciência clara de seu entendimento sobre a sua pessoa e sobre o seu ministério iniciante como sucessor de Pedro. Ele apresenta-se – como não pode deixar de ser a apresentação dos discípulos de Jesus, sejam quais forem as circunstâncias, cargos, ofícios e responsabilidades – como simples servo da vinha do Senhor, chamado naquele momento ao exigente serviço como Papa.

Diretor da Pastoral da Cultura em debate sobre a exposição “Os Desastres da Guerra”, de Graça Morais | VÍDEO |
O diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura participa a 6 de abril num debate sobre a exposição “Os Desastres da Guerra”, pintura de Graça Morais patente na Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, em Lisboa. As pinturas, criadas a partir de fotografias da imprensa, pretendem ser um «grito de alarme» perante o que a artista transmontana considera ser a «desumanidade» existente no mundo. Para o curador, João Pinharanda, «o discurso de Graça Morais coincide com a História»; «Usando as imagens dos perigos, dos medos e das sombras que cobrem os caminhos, nos entram em casa e nos assaltam nas ruas de todas as cidades do mundo, ela isola e destaca elementos, compõe situações novas de modo a sentir-se mais próxima de uma verdade trans-histórica».

“Obra incorporada”: 14 olhares para uma cruz | IMAGENS |
Está patente até 4 de abril no Museu do Abade Baçal, em Bragança, a exposição “Obra incorporada”, com trabalhos de 14 artistas convidados pelo arquiteto Fernando Reis a incorporarem o seu trabalho numa cruz por ele concebida. Agostinho Santos, Ana Maria, António Cunha, Damião Matos, Emerenciano, Evelina Oliveira, Henrique do Vale, Humberto Nelson, Jean Pierre Porcher, José Emídio, Manuela Bacelar, Paulo Hernâni, Paulo Neves e Rui Vitorino Santos compõem a mostra que em fevereiro passou pelo Mosteiro de Tibães.

Anúncios