É novo » 14.2.2013

Quaresma, Quinta-feira depois de Cinzas: arte contemporânea | IMAGENS |
Interrogamo-nos sobre o poder da imagem – ou da obra de arte. Desde o título ao gesto repetido, percebemos a centralidade do apagamento progressivo. Uma espécie de esvaziamento essencial, uma kenosis. A sua obra não ilumina o mundo com luz ilusória e presa às aparências. Coloca a obscuridade, que é o fundamento do mundo, diante dos nossos olhos. Esta enorme escuridão que a obra de arte nos abre, atira o homem para o exílio, para um lugar inóspito, inabitável, inseguro. Deixa-o no deserto, sem ter onde inclinar a cabeça e descansar. A subversão iconoclasta, a afirmação da necessidade permanente de reforma e combater ilusões, é motor de novos princípios. Uma permanente destruição dos ídolos. É assim na arte, é assim na experiência antropológica e religiosa: uma purificação que permita novos começos. Uma austera passagem pela noite, o encontro com o pó e as cinzas.

Obras de Bento XVI são «património inestimável para crentes e não crentes», diz Zita Seabra
Zita Seabra considera que os livros de Bento XVI «são um património inestimável para crentes e não crentes». «Desde o Catecismo da Igreja Católica, até aos três volumes sobre a vida de Jesus, passando por numerosos trabalhos doutrinais ou textos de proclamação da Fé – fica uma obra rica, que marcará não só a vida da Igreja, mas o património cultural da humanidade», sublinha a editora em depoimento enviado ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura. «Muito desse património vai viver connosco para além destes dias tristes, em que encaramos com surpresa o gesto racional da sua renúncia à cadeira de Pedro», assinala.

Bento XVI desbravou «novas dimensões de diálogo estético e ético» e acentuou importância da arte na relação com Deus
O escritor e professor universitário Mário Avelar considera que os caminhos abertos por Bento XVI «desbravaram novas dimensões de diálogo estético e, ético, e, também, de entendimento de quão relevante pode ser, hoje em dia, a arte na relação com Deus». A «abertura à alteridade significou uma disponibilidade para entender e acolher os discursos estéticos que têm emergido noutros horizontes culturais, ideológicos mesmo, e de neles identificar inquietações e sintomas que são passíveis de funcionar como, ainda que ténues e pouco perceptíveis, pontes de diálogo e compreensão mútua». Para Mário Avelar o percurso do papa ajuda a compreender que «a experiência contemplativa e meditativa do silêncio perante o inesperado» e o transcendente «pode constituir uma parte do processo de aprendizagem e da própria fruição estética».

Um presente original para o Dia dos Namorados | VÍDEO |
Na última parte da entrevista ao padre Miguel Almeida sobre acompanhamento de namorados, o diretor do Centro Universitário Padre António Vieira, em Lisboa, conta que na maior parte das vezes os casais procuram-o quando se começa a colocar seriamente a possibilidade de o namoro evoluir para um compromisso mais sério. Neste vídeo há ainda tempo para a proposta de um exercício simples para aumentar a proximidade, o conhecimento mútuo e a espiritualidade. E como estamos no Dia dos Namorados, temos de presente a sugestão de um presente original. Podemos adiantar que não é preciso comprar nada…

Santos Cirilo e Metódio, padroeiros da Europa, anunciadores do Evangelho, obreiros da solidariedade, artífices da paz
Diante do alcance histórico da obra evangelizadora realizada pelos dois santos irmãos, a Igreja percebe de novo ainda mais profundamente que a evangelização é a sua própria graça e vocação, a sua mais íntima identidade. Isto significou para os Santos Cirilo e Metódio tornar preeminente o anúncio do Evangelho: um anúncio que não matou, destruiu ou eliminou, mas antes integrou, elevou e exaltou os autênticos valores humanos e culturais, típicos do génio dos Países evangelizados, contribuindo para uma abertura e solidariedade, capazes de fazer superar os antagonismos e de criar um comum património espiritual e cultural, que colocou sólidas bases para a justiça e a paz.

Bento XVI presidiu à missa de Quarta-feira de Cinzas pela última vez enquanto papa | IMAGENS |
Bento XVI presidiu esta tarde pela última vez enquanto papa à celebração da missa de Cinzas, que assinala a entrada na Quaresma. Na catequese da audiência geral desta manhã, já marcada pela Quaresma, salientou a importância da mudança e renovação de vida que este tempo penitencial propõe. «Converter-se significa não fechar-se na procura do próprio sucesso, do próprio prestígio, da própria posição, mas fazer que em cada dia, nas pequenas coisas, a verdade, a fé em Deus e o amor se tornem a coisa mais importante», salientou. «As provas a que a sociedade atual submete o cristão são muitas e atingem a vida pessoal e social. Não é fácil ser fiel ao matrimónio cristão, praticar a misericórdia na vida quotidiana, deixar espaço à oração e ao silêncio interior», referiu.

Paróquia de Lisboa exibe melhor filme europeu de 2011 segundo a Associação Católica para a Comunicação | VÍDEO |
A paróquia de S. Nicolau, em Lisboa, exibe na segunda-feira, 18 de fevereiro, o filme “Le Havre”, o quarto a ser projetado no âmbito do ciclo de cinema dedicado ao Ano da Fé, que a Igreja Católica assinala até 24 de novembro. O trabalho do realizador finlandês Aki Kaurismäki foi considerado o melhor filme europeu de 2011 pela região europeia da Signis, Associação Católica Mundial para a Comunicação. O filme conta a história de um engraxador e a sua tentativa de salvar uma criança que imigra para França.

Vida da Irmã Lúcia sobe ao palco em monólogo interpretado por Maria José Paschoal
A peça de teatro “Irmã Lúcia – uma oração” estreou esta quarta-feira no Convento dos Cardaes, em Lisboa, homenageando uma das testemunhas das aparições da Virgem Maria ocorridas em Fátima no ano de 1917. O monólogo, produzido pelo grupo “Cassefaz”, subiu ao palco no dia em que passam oito anos sobre a morte de Lúcia de Jesus (1907-2005). A dramatização, que resulta da adaptação do primeiro volume das “Memórias da Irmã Lúcia”, «pretende ser uma homenagem à figura ímpar da religião católica espalhada pelo mundo», afirmou a protagonista.

Cornucópia agenda sessões extra de “O Estado do Bosque”
«Devido à elevada procura por bilhetes e à impossibilidade de prolongar a sua carreira para além de dia 24 de fevereiro, por compromissos anteriores dos atores e da própria companhia, decidimos fazer duas sessões suplementares nas tardes dos próximos sábados, dias 16 e 23 de fevereiro às 17h00», anuncia uma nota enviada ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

— Agenda para hoje —

Conferências sobre “Fé e Cidadania” debatem dignidade humana, diálogo e atividade
O Instituto da Formação Cristã do Patriarcado de Lisboa inicia a 14 de fevereiro um conjunto de conferências sobre “Fé e Cidadania”, partindo da constituição “Gaudium et spes”, documento do Concílio Vaticano II (1962-1965) sobre a relação da Igreja com o mundo. Na primeira sessão, intitulada “Fé e dignidade humana”, Guilherme d’Oliveira Martins, Sofia Reimão e Alfredo Bruto da Costa refletem sobre a tolerância e a promoção dos direitos humanos.

Anúncios