É novo » 3.1.2.2013

Aceitar a humildade, confiar na contradição, amar o serviço
Após um impulso inicial, os habitantes de Nazaré perdem o entusiasmo admirativo em favor de um certo realismo. Como é que o filho de José pode dizer-se marcado pela unção do Espírito Santo? E as resistências aumentam. Por quem se toma ele? É um pretensioso, um louco ou um impostor. Mesmo os familiares de Jesus querem dominar as suas palavras, visto que diziam: «Está fora de si». Esta questão vai atravessar todo o Evangelho e chega até hoje. Para muitos dos nossos contemporâneos as verdades essenciais da fé e da boa nova são desconcertantes, e até provocantes. O plano da narrativa de Lucas, incluindo os Atos dos Apóstolos, entrevê-se nesta passagem: a mensagem anunciada por Jesus falhou na sua pátria; por isso deve ser proclamada fora dela. Comentário às leituras do 4.º Domingo do Tempo Comum.

Portugal não vai longe sem «renovação cultural», diz cardeal-patriarca
«Uma nova etapa de civilização e de organização da sociedade precisa de profundidade cultural. (…) Ou somos capazes de uma profundidade cultural, eu diria de uma renovação cultural, ou não iremos longe», considera o cardeal-patriarca. «As universidades, pela clareza do seu saber, têm um papel absolutamente importante e a Universidade Católica, em nome da Igreja, tem um papel importante nessa transformação cultural», frisou D. José Policarpo.

Anúncios