É novo » 8.1.2013

Secretariado da Pastoral da Cultura de Angra organiza curso sobre “Artes Decorativas e o Sagrado em Portugal”
O Secretariado da Pastoral da Cultura da diocese de Angra (Açores) realiza de 14 a 18 de janeiro o curso “Artes Decorativas e o Sagrado em Portugal”, em parceria com o Instituto Cultural de Ponta Delgada e o Grupo de Amigos do Museu Carlos Machado. As aulas são orientadas por Gonçalo de Vasconcelos e Sousa, professor catedrático da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa (Porto), autor de várias obras sobre a especialidade, revela uma nota enviada ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Metamorfose do diálogos
Não nos faltará, todavia, um pouco daquela “admiratio/contemplatio” que outrora suscitava as grandes interrogações das origens? No fundo, encontramo-nos todos a tentar vislumbrar um novo horizonte que suscite o desejo de conhecer visceralmente: «o que é o homem para te lembrares dele, o filho do homem para com ele te preocupares?» (Sl 8,5). E «quem dizem os homens que eu sou?» (Mc 8); ou ainda pelo timbre de Álvaro Campos: «Tive um passado? Tenho um presente? Terei um futuro? Sem dúvida» (in “Poemas”), há aqui metafísica e oração quanto bastem! Em tem tudo isto prevalece uma intuição original sobre a bondade da procura e a gratuidade do tempo. Propor a metáfora como via de «propensão para o sentido» (Pedro Cabrita) e de educação dos sentidos afetivos – que é transversal a todos os discursos e modos de vida, à religião, à ciência, à arte, ao senso comum – é abrir um espaço para a compreensibilidade de mundivisões aparentemente distantes.

Leitura: Universidade Católica Editora evoca António de Sousa Franco
A Universidade Católica Editora lançou o volume “António Luciano de Sousa Franco: a força do humanismo cristão”, que entre os autores inclui inclui o constitucionalista Jorge Miranda e Guilherme d’Oliveira Martins, presidente do Centro Nacional de Cultura e do Tribunal de Contas. O volume abre com um texto evocativo do jurista e político (1942-2004) assinado pela reitora da Universidade Católica Portuguesa, Maria da Glória Garcia. “Político e governante” (Guilherme d’Oliveira Martins), “Militante e dirigente católico” (Pedro Roseta) e “Diretor da Faculdade [de Direito]” (Germano Marques da Silva) são os testemunhos apresentados seguidamente.

Paula Moura Pinheiro: o exercício «simples e arriscado» de expor as dúvidas de fé | VÍDEO |
«Por que é que Deus, que pode tudo, não abençoou todos com a graça da fé?» Esta foi uma das dúvidas de fé colocadas por Paula Moura Pinheiro, em conversa que teve lugar em novembro na Capela do Rato, em Lisboa. Num exercício que qualificou de «simples e arriscado», a jornalista contou que algumas das suas incertezas, como o motivo da irascibilidade de S. Paulo, foram ultrapassadas com o tempo. Outras subsistiram ou foram emergindo. Entre as dúvidas, duas certezas: «Não tenho dúvida de que a todo o instante acontecem milagres» e que «Deus pode tudo». Na iniciativa participaram também João Duque, presidente do Instituto Superior de Economia e Gestão, e Maria da Glória Garcia, reitora da Universidade Católica Portuguesa, de quem apresentaremos, oportunamente, excertos dos testemunhos.

Consumismo é um quadro cultural e de comportamento social
É sabido que, durante as últimas décadas, o estilo de vida dos países ocidentais (e não só) vinha sendo dominado pelo “consumismo”. Trata-se de um estilo de vida impróprio e insustentável (estima-se que para que toda a população mundial usufruísse de um estilo de vida equivalente ao dos Estados Unidos da América, seriam precisos seis planetas Terra). Consumismo não é apenas uma prática de esbanjamento do dinheiro que se tem e que se não tem, em coisas mais do que supérfluas mas que se apresentam como necessárias ao nosso modelo de felicidade. É também isso, mas é sobretudo um quadro cultural e de comportamento social. Por vezes, acontece que, por mais que tenhamos, a felicidade parece depender precisamente do que ainda não temos.

Escola das Artes da Universidade Católica prepara 10.ª edição do Festival Audiovisual Black & White | VÍDEO |
A Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa (Porto) promove de 22 a 25 de maio a 10.ª edição do Festival Audiovisual Black & White, que apresentará em competição vídeos e fotografias a preto e branco de vários países. «Com características únicas a nível mundial, a iniciativa nasceu da necessidade de responder a uma crescente sensibilidade do público para a especificidade do preto e branco, abandonando o preconceito que relaciona esta estética com obras dos primórdios do cinema», refere uma nota enviada ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Anúncios