É novo » 11.10.2012

Viagem no oceano da fé
A fé tem uma dimensão de risco, de entrega de si, na consciência de que o horizonte misterioso de Deus é bem mais alto que o nosso, como já sugeria o Senhor pela boca de Isaías: «Os meus planos não são os vossos planos, os vossos caminhos não são os meus caminhos – oráculo do Senhor. Tanto quanto os céus estão acima da terra, assim os meus caminhos são mais altos que os vossos, e os meus planos, mais altos que os vossos planos». Este entrelaçamento entre fé e confiança, entre verdade e risco cria outro par temático, entre fé e razão, que constitui também o título de uma encíclica de João Paulo II, “Fides et ratio” (1998), dedicada precisamente a este contraponto harmonioso, a este voo no céu do mistério divino com as duas asas da fé e da racionalidade, para usar a imagem com que abre este texto papal.»

O elogio das crises de fé | VÍDEOS |
«A fé não é a construção de uma estabilidade mas é a aceitação de um combate, que é também uma dança com o anjo de Deus.» A experiência de Deus é de nudez, muitas vezes mudez, de fragilidade, dúvida, silêncio e noite; é uma experiência de não saber, não ver, não conhecer, não ter, não poder… É um não repetido que paradoxalmente acaba por se tornar lugar de encontro. «Bendita noite, bendito silêncio de Deus, bendito caminho austero que a fé nos leva a fazer.» «O que nos é oferecido é o caminho, a viagem, o bordão e as sandálias de peregrino.» «Não há teologia de fé que não seja teologia de crise. A fé é para nos colocar em crise, isto é, em estado de abertura, renascimento e reconfiguração.»

O primeiro dia do Concílio Vaticano II pelo teólogo Yves Congar
«É, de facto, defensável que exista uma certa continuidade entre o trabalho do Concílio e o das comissões preparatórias. Mas é defensável também que se faça agora uma outra coisa e melhor do que aquela que foi preparada: algo pastoral, menos escolástico. Quase todos os bispos que encontrei ou cuja opinião me foi relatada acham os quatro “shemata “[esquemas dos documentos] dogmáticos, demasiado escolásticos e filosóficos. Um Concílio, dizem eles, não existe para raciocinar, para falar do princípio de razão suficiente, etc.» O padre francês Yves Congar (1904-1995) é um dos mais importantes teólogos católicos do século XX. Na data em que se assinalam os 50 anos da abertura do Concílio Vaticano II (11.10.1962), apresentamos o registo desse dia que o religioso da Ordem dos Pregadores (Dominicanos) redigiu no seu diário.

“O caminho de perfeição” de Teresa de Jesus: o poder de uma metáfora
O título da obra de S. Teresa de Jesus, conhecida como “Caminho de perfeição”, está cheio de aberturas sugestivas a uma imensa riqueza de conteúdos humanos, culturais e espirituais. Enquanto usa a metáfora do caminho, remete para a conceção da vida humana como uma viagem, que dá unidade à diversidade de episódios e de experiências e decorre entre progressos e retrocessos, sucessos e fracassos, perdas e ganhos, conquistas e derrotas, ditas e desditas. Vista como metáfora da existência humana vivida ou por viver, o caminho aparece como narrativa com sentido.

Exposição: Arte + Fé, encontro da fé com a arte contemporânea | IMAGENS |
A Paróquia da Sé de Lisboa e o Centro Cultural de Lisboa Pedro Hispano organizaram em setembro uma exposição com 30 obras de artistas cristãos dos cinco continentes. A mostra “Arte + Fé – Encontro da fé com a arte contemporânea” reuniu instalações, performances, pinturas e fotografias de criadores católicos, ortodoxos e protestantes dos EUA, Japão, Holanda, Libéria, Austrália e Filipinas, entre outros países. Apresentamos algumas das obras expostas.

Editorial Cáritas investe em obras de referência na área do apoio social
A Editorial Cáritas propõe-se publicar um novo título a cada dois meses, apostando nos livros de referência na área do apoio social, que por serem maioritariamente de pequena tiragem se tornam economicamente inviáveis no canal livreiro. A marca da Cáritas Portuguesa, que conta com seis títulos publicados, desenvolve três projetos editoriais: livros essenciais, como “A Teologia da Caridade”, de René Coste, protagonistas históricos, como “Padre António d’Oliveira”, de Ernesto Candeias, e manuais de aplicação. Na linha de conteúdos de base para a formação vão ser lançadas alternadamente obras de referência e de autores atuais.

A Paixão de Cristo segundo Botero | IMAGENS |
No ano em que celebra 80 anos, o pintor e escultor colombiano Fernando Botero apresenta “Viacrusis La Pasion de Cristo” ao mundo. Fiel aos acontecimentos da vida de Cristo, o pintor não deixa, contudo, de os retratar com a originalidade do seu traço. Se muitos antes dele pintaram a Paixão de Cristo tendo como cenário fortalezas medievais e paisagens bucólicas pontuadas por colinas, Botero insere-a agora em contextos que vão da Big Apple mundana às povoações de Antioquía (a sua região de origem) e aos cartéis da droga. Isto para não falar de Cristo, cuja figura deixa pela primeira vez de ser esguia, para passar a ser volumosa e obesa, como todas as personagens icónicas do trabalho de Botero. A violência do passado recente e do presente colombiano a par da crucificação, da perda e da morte — Maria é outra das personagens bíblicas mais retratadas na mostra.

Atualizações do site da Pastoral da Cultura regressam em novembro

Anúncios

É novo » 10.10.2012

“A infância de Jesus”: prefácio e excertos do novo livro de Joseph Ratzinger – Bento XVI
A Feira Internacional do Livro em Frankfurt, de 10 a 14 de outubro, é a montra escolhida pela editora Rizzoli para apresentar o novo livro de Joseph Ratzinger – Bento XVI, dedicado às narrações evangélicas da infância de Jesus, que «não nasceu nem apareceu publicamente no vago “outrora” do mito», mas que «pertence a um tempo datável exatamente e a um ambiente geográfico indicado com clareza». Por isso «o universal e o concreto tocam-se reciprocamente». «Estou bem ciente de que este colóquio na encruzilhada entre passado, presente e futuro nunca poderá ser completo e que cada interpretação nunca alcança a grandeza do texto bíblico. Espero que o pequeno livro, não obstante os seus limites, possa ajudar muitas pessoas no seu caminho rumo a e com Jesus.»

Cristianismo não está a acabar mas a transformar-se
«Talvez o que o nosso tempo descobre, mesmo entre convulsões e incertezas, seja um modo diferente de ser crente, traduzido de formas alternativas nas suas necessidades, buscas e pertenças. Não estamos perante o crepúsculo do cristianismo, como defendem aqueles que se apressam a chamar pós-cristãs às nossas sociedades. Quem não se apercebe que o radical lugar do cristianismo foi sempre a habitação da própria mudança não o colhe por dentro. Mas há eixos que se vão tornando suficientemente claros para que seja cada vez mais um dever os enunciarmos e contarmos com eles.» O diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura aponta três.

Como queremos continuar a História?
«Desde que a crise se instalou no opulento Ocidente, em várias escalas da coexistência humana, vive-se sem projeto de comunidade. Administramo-nos e somos administrados pela racionalidade da eficácia, diminuídos à condição de meios a proporcionar o fim da eficiência. Um esquema societário da subtração hegemoniza-se sob o fundamento duplo de que, na ordem dos factos, o mundo não basta para todos e de que, na ordem dos valores, não devemos dar por garantido nenhum direito adquirido quanto à existência digna no mundo.» Os ensaios do livro “Primeiras vontades – Da liberdade política para tempos árduos”, de André Barata, procuram defender «escolhas humanas que deem um futuro à História, através do pensamento sobre a liberdade política de Jean-Jacques Rousseau, Isaiah Berlin, Hannah Arendt, Jacques Rancière, Jean-Paul Sartre e Slavoj Žižek».

“O Gebo e a Sombra”: Manoel de Oliveira filma «com simplicidade mas sem simplismo» obra de Raul Brandão sobre o «poder do dinheiro» | VÍDEO + IMAGENS |
O desafio, diz, veio de um amigo: fazer um filme sobre a pobreza. Foi feito há anos e Manoel de Oliveira considerou-o difícil. Difícil, não impossível. Anos passados surge “O Gebo e a Sombra”. Um olhar sobre a obra homónima de Raul Brandão, que o cineasta recria de forma mestra, com grande simplicidade mas nenhum simplismo, que é também um olhar sobre os paradigmas existenciais do passado e do presente, sobre Portugal e os portugueses, sobre a pobreza, a honra, o sonho e a esperança, oferecendo uma profunda reflexão sobre o poder do dinheiro.

A quem darei o meu coração para sempre?
Em todas as dimensões da vida temos de decidir quais serão os nossos compromissos. E isso começa com o maior de todos: a quem darei, total e definitivamente, o meu coração? Tudo o resto decorre dessa escolha. Mas o que sucederá às outras opções de vida se esse compromisso primordial for ambivalente ou hesitante?

Ciclo de concertos assinala tempos fortes do ano litúrgico e festas marianas
O Auditório Senhora da Boa Nova, integrado na paróquia do Estoril (Cascais), acolhe no sábado (13 de outubro) um ciclo de concertos que acompanha tempos e dias festivos do ano litúrgico. O primeiro recital evoca a Senhora da Boa Nova com o programa “O Culto da Virgem Maria ao Longo dos Séculos”, interpretado pelo Ensemble Vocal Introitus. A 1 de dezembro o mesmo conjunto propõe “Natal para vozes iguais”, lembrando o Advento e o nascimento de Cristo, enquanto que a 28 de março as atenções centram-se na Semana Santa, com a presença de um ator a acompanhar o agrupamento.

Exposição “Angelorum – Mil anos de anjos em Portugal” na Capital Europeia da Cultura encerra no domingo | IMAGENS |
A exposição “Angelorum – Mil anos de Anjos”, integrada na programação de Guimarães – Capital Europeia da Cultura 2012, encerra este domingo, 14 de outubro. «A iniciativa, coordenada por Manuel Graça, propõe uma viagem pela evolução das figuras dos Anjos ao longo dos séculos, apontando diferentes contextos e interpretações – perspetiva teológica, humanista e mística». Conclui-se também no domingo a mostra temporária “Anjos Hoje”, «visão contemporânea» da imagem dos mensageiros de Deus segundo as perspetivas dos artistas plásticos Paulo Neves e Catarina Machado.

Agenda e aplicação informática com 365 obras de arte vão ser apresentadas no Dia Nacional dos Bens Culturais da Igreja
A apresentação de um programa informático com 365 obras de arte e a reflexão sobre a importância do património católico na música, têxteis e pintura vão marcar o Dia Nacional dos Bens Culturais da Igreja, a 18 de outubro, em Lisboa. O lançamento da aplicação e da Agenda de Bens Culturais da Igreja 2013, no mosteiro dos Jerónimos, concluem um programa que se inicia às 10h00 na igreja da Memória, também na zona de Belém, com a intervenção do bispo das Forças Armadas, D. Januário Torgal Ferreira. O bispo D. Pio Alves e o musicólogo Rui Vieira Nery são alguns dos intervenientes na iniciativa.

É novo » 9.10.2012

A Cultura e o Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização | IMAGENS |
A palavra “cultura” ou termos que nela têm origem são citados 58 vezes na tradução portuguesa do documento que serve de base aos trabalhos do Sínodo dos Bispos sobre o tema “A Nova Evangelização para a transmissão da fé cristã”, que o papa Bento XVI abriu este domingo no Vaticano. «Ter a coragem de trazer a questão de Deus para este mundo; ter a coragem de dar novamente qualidade e motivos à fé de muitas das nossas Igrejas de antiga fundação, é esta a tarefa específica da nova evangelização», lê-se num dos números da síntese, de que apresentamos algumas passagens, acompanhadas por fotografias da missa de abertura.

“Peregrino”: escultura à entrada de igreja renova projeto de arte e sensibilização para a pobreza
A paróquia de São José, em Ponta Delgada, apresenta esta sexta-feira (12 de outubro) a escultura “Sem título V (Peregrino)”, de Daniel Oliveira, no âmbito do projeto “Indigências”, que pretende unir arte e sensibilização para a pobreza. A peça em ferro de 2,20 metros de altura, concebida em 2011, sugere, «pela sua profusão de planos, uma figura reclinada caminhando». «Colocada à entrada da Igreja de São José, procuro criar um paralelismo entre a experiência estética e a experiência espiritual. O Peregrino que procura consolo espiritual perante as indigências da vida caminha para o Templo».

Cinema: “Pietà”, «se isto é um homem»? (2)
Se acreditamos que o Evangelho é um facho de luz a exigir uma hermenêutica contextual, como olhar e interpretar a figura de Kang-do e de Cho Min-soo no filme “Pietà”? É neste núcleo-figura que a meu ver se situa a virtualidade do filme. Se não acreditarmos que ela – a misericórdia regeneradora – seja possível mesmo no quadro mais trágico, o cristianismo reduz-se a uma religião civil, em que a regra d’ouro do amor é pura e simplesmente o braço direito do poder secular. Na perspetiva cristã, a fé que salva é aquela que qualifica Jesus Cristo na sua relação com abba-Pai pela qual se realiza o ato crente humano em Deus-Pai, no «exercício confiante da relação filial e da dedicação fraterna». E nisto, o cristianismo se diferencia qualitativamente da “Pietà” de Kim Ki-Duk, rompendo com a tragicidade de uma existência vivida solitariamente.

Paróquia de S. Nicolau, na Baixa de Lisboa, inaugura ciclo de cinema sobre a fé | VÍDEO |
A paróquia de S. Nicolau, na Baixa de Lisboa, inaugura na próxima segunda-feira (15 de outubro) um ciclo de cinema em torno da Fé com o filme “Amazing Grace” (2006), de Michael Apted. A iniciativa inspirada pelo Ano da Fé, que a Igreja Católica assinala a partir de quinta-feira, compreende uma breve apresentação do filme, seguida da exibição e debate.

Paulus leva 11 títulos originais de autores portugueses à Feira do Livro de Frankfurt
A delegação portuguesa da Paulus vai estar presente com 11 títulos originais de autores portugueses na Feira do Livro de Frankfurt, a maior do género a nível mundial, que decorre de quarta-feira a domingo. Na edição de 2011 a editora vendeu os direitos de títulos de quatro autores nacionais. Conheça os livros que a Paulus leva para a Alemanha.

John Henry Newman: uma existência exemplar de total veracidade e coerência
Um dos rasgos que mais impressionam e cativam em J. H. Newman [1801-1890] é a luminosidade interior. E justamente numa personalidade pluriforme, rica de dons e de capacidades que, como poucos, ele soube harmonizar em si. Noutros, semelhante profusão de qualidades humanas seria porventura uma fonte de contradições, de ruturas, de desequilíbrios e de dispersão; em Newman, graças à sua imensa sensibilidade moral, á sua profundeza religiosa, á sua extraordinária clarividência intelectual, á sua acutilante e quase genial perceção das moções discordantes do coração dos homens, ao seu poder excecional de expressão literária, à sua vibração poética e à sua subtil ironia, esta opulência de dotes, pastoreados por uma incessante e incansável demanda espiritual desde a juventude, gera uma impressão de subterrânea unidade de vida e de pensamento que, contra todos os obstáculos exteriores e interiores, constrói uma existência exemplar de total veracidade e coerência. A Igreja evoca a 9 de outubro a memória do cardeal inglês, que neste dia do ano de 1845 se converteu ao catolicismo, e que o papa Bento XVI beatificou em setembro de 2010.

“Evangelizador de madrugadas” vence concurso de poesia sobre S. João de Ávila
«A sua entrega secular e a sua inteireza / impeliram seus passos para outros horizontes, / para outros olhos novos que ansiavam a sua voz, / como anseia maio o sonho de ser flor. / Foi na luz, nos campos, no ar de Almodôvar, / que o jovem Pastor, depois / Mensageiro de Deus, / moldou a sua inteireza, aprendeu / o árduo magistério da entrega, / recebeu os primeiros sinais do Amado, / soube que o horizonte e as fronteiras / eram, apenas, palavras, / desafios.» O poema “Evangelizador de Madrugadas” venceu o concurso de poesia organizado pela Conferência Episcopal Espanhola sobre S. João de Ávila (c. 1499-1569), que no domingo foi declarado Doutor da Igreja, em Roma, juntamente com Santa Hildegarda de Bingen. Apresentamos o poema no original espanhol e na tradução portuguesa.

É novo » 8.10.2012

Livros novos para o outono
“A alegria da fé”, “A Igreja no Médio Oriente”, “A morte ensina a viver”, “Auto-de-fé”, Celebrações para o Ano da Fé”, “Estudos Orientais”, “Exercícios Espirituais de Santo Inácio”, “”Introdução à Fé”, “Os rostos de Maria na Bíblia”, “Os dias da Universidade e outras intervenções”, “Os leigos depois do Concílio”, “S. Tomás de Aquino”, “Só avança quem descansa – A sabedoria do tempo” e ” YouCat: orações para os jovens”. O Ano da Fé e os 50 anos do início do Concílio Vaticano II estão na origem de algumas das obras recentemente lançadas em Portugal. Conheça os títulos e resumos fornecidos pelas editoras de algumas das propostas de leitura para o outono.

Cinema: “Pietà”, «se isto é um homem»? (1) | VÍDEO + IMAGENS |
O teólogo, João Duque, vê na arte a função de desvelamento do enigma: “ao olharmos Cristo desfigurado, não deixarmos de olhar para o homem que está à nossa volta, cuja desfiguração está tão escondida e tão invisível que urge encontrá-la. A arte tem esta “função” de trazer para fora a desfiguração, para que, olhando-a, a possamos ver, sentir e interpretar como um apelo permanente à paz e à justiça”. Esta urgência de encontrar a desfiguração é o grito profético contra toda a injustiça desumanizadora, que o recente e controverso filme “Pietà” procura interpretar. Basta percorrer, no contexto da tradição cristã, as páginas do Evangelho para perceber que a verdade só é possível se existe o “ágape” justificativo (amor-que-salva-justamente), não simplesmente piedoso, mas inteiramente oblativo; não em função de uma redenção desmesurada, mas fruto da absoluta gratuidade que se inicia no ato generativo de Deus.

Daniel Faria «é um dos nossos maiores poetas do século XX»
Há não muito tempo foi-nos possível testemunhar, num encontro sobre a literatura portuguesa das novas gerações, a recetividade de leitores entre os 16 e os 24, 25 anos, relativamente a Faria. Creio que essa recetividade se prendeu com algo que, quanto a nós, é o motivo de interesse principal neste poeta; precisamente a importância que se dá às imagens e às metáforas, ao ritmo e aos símbolos. Os ecos de certa religiosidade, a presença dum deus ausente a que a palavra poética se dirige, bem como a construção segura dos efeitos de citação ou de apropriação da tradição bíblica (as referências ao livro do Êxodo, a figuras como Ezequiel ou Zacarias, à Damasco dos “Atos dos Apóstolos”, a místicos como São João da Cruz ou Santa Teresa, à figura de Isaac…) relacionam-se com esse fundo simbólico e imagético em que os textos evoluem.

Presidentes de Itália e do Pontifício Conselho para a Cultura tiveram debate público em Assis | IMAGENS |
«O Átrio dos Gentios é o lugar do diálogo, da tolerância, mas sobretudo da escuta. A circunstância, totalmente extraordinária no Ano da Fé, que um encontro do Átrio se realize aqui em Assis, o lugar do espírito e da mensagem franciscana, a cátedra do diálogo inter-religioso, confere a este dia um significado particular, o sinal de um acontecimento que permanecerá na memória de muitos». Foi com estas palavras que o diretor do jornal italiano «Corriere della Sera», Ferruccio de Bortoli, introduziu na tarde desta sexta-feira, em Assis, o diálogo entre o presidente da República Italiana, Giorgio Napolitano, e o presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, cardeal Gianfranco Ravasi.

Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro abre inscrições para expressões artísticas
Os organizadores da próxima Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que decorre no Rio de Janeiro de 23 a 28 de julho de 2013, abriram inscrições para a apresentação de exposições, bem como de espetáculos teatro, dança e música. Estão também abertas as inscrições para os “graffiters” que querem expor durante a JMJ. O Museu de Arte Sacra de S. Paulo e a organização da Jornada abriram concurso para jovens peregrinos de todo o mundo que queiram participar nas oficinas e na exposição a realizar durante o encontro.

É novo » 7.10.2012

Festival de órgão organizado pela diocese do Porto oferece 200 peças de 53 compositores
Os secretariados da Pastoral da Cultura e Liturgia da diocese do Porto organizam de 11 a 20 de outubro o Festival Internacional de Órgão que vai decorrer em várias igrejas da Cidade Invicta. Quatro organistas estrangeiros e 10 portugueses vão executar um total de 200 peças, de 53 compositores. Em declarações à Lusa o cónego Ferreira dos Santos destacou as obras de Bach, que descreveu como «o príncipe» da música para órgão, e sublinhou que o programa contempla peças de compositores «de todas as épocas e estilos», do Barroco à atualidade. Conheça o programa.

Camilo Castelo Branco e a esperança
Jesus Cristo, em suas máximas, nos exemplos da sua vida, respira até à morte indulgência e misericórdia. O quadro, que Ele nos deixou, foi o da sua misericórdia, e não o da sua justiça. As parábolas da ovelha desgarrada, do filho pródigo, dos operários da vinha, e do publicano no templo, são lições de misericórdia. Zaqueu, a pecadora de Nahim, a mulher adúltera, S. Pedro, e os judeus, que o crucificaram, são sublimes exemplos de confiança.

É novo » 5.10.2012

Bento XVI em Loreto | IMAGENS |
O papa Bento XVI visitou esta quinta-feira o Santuário de Loreto, dedicado à Virgem Maria, para rezar pelo Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização e pelo Ano da Fé. «Contemplando Maria, devemos nos perguntar se também nós queremos ser abertos ao Senhor, se queremos oferecer-lhe a nossa vida para que seja uma morada para Ele; ou então, ao contrário, se tememos que a presença do Senhor possa ser um limite para nossa liberdade, e se queremos reservar para nós uma parte de nossa vida, de modo que possa pertencer apenas a nós. Mas é Deus mesmo que liberta a nossa liberdade, que a liberta do fechamento em si mesma, de possuir, da sede de poder, de posse, de domínio, e a torna capaz de abrir-se à dimensão que a realiza no sentido pleno: o do dom de si, do amor, que se faz serviço e partilha.» Veja fotografias da visita.

Padre José Tolentino Mendonça vai ocupar cargo de vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa
O padre José Tolentino Mendonça, diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, vai ocupar o cargo de vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, anunciou a instituição. O poeta e biblista fará parte da equipa dirigida pela nova reitora, Maria da Glória Ferreira Pinto Dias Garcia, anterior vice-reitora. A cerimónia de investidura da reitora e de tomada de posse dos restantes membros realiza-se no dia 18 de outubro, pelas 16h30, na sede da Universidade, em Lisboa.

Pastoral da Cultura da diocese do Porto recomeça ciclo “Eis o Homem”
O Secretariado da Pastoral da Cultura da diocese do Porto organiza um novo ciclo de conferências “Eis o Homem”, que desta vez vai ser dedicado ao tema “O Sínodo da Nova Evangelização, nos 50 anos do Concílio Vaticano II”. Os encontros começam a 1 de novembro com o bispo do Porto e vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Manuel Clemente. O programa prossegue com o bispo de Lamego, D. António Couto, presidente da Comissão Episcopal da Missão e Nova Evangelização.

5 de outubro de 1910, Implantação da República: reação, mobilização e inovação católica | IMAGENS |
No seu Protesto Coletivo de 5 de maio de 1911, os bispos denunciaram o caráter afrontoso e persecutório do conteúdo e das disposições da Lei da Separação, insurgindo-se contra a expropriação dos bens móveis e imóveis da Igreja, o não reconhecimento da personalidade jurídica da autoridade eclesiástica; contra a ingerência do poder civil na formação do clero e na proibição do uso das vestes talares fora dos locais de culto; bem como contra a limitação das manifestações públicas de culto ou de fé; contra a criação das associações cultuais, encaradas como interferência na vida católica e na administração dos bens da Igreja. Consideravam a lei como «convite à indisciplina e à imoralidade» pelo dispositivo legislativo de atribuição de pensões às viúvas e aos filhos legítimos ou ilegítimos dos padres, constituindo assim um ataque direto à convicção e à disciplina sobre o celibato.

Padre Tolentino Mendonça vai ao programa “Câmara Clara” falar da «reconciliação» da Igreja Católica com a arte
O padre José Tolentino Mendonça é o convidado do programa “Câmara Clara” que vai para o ar este domingo, 7 de outubro, a partir das 22h30, na RTP-2. «De regresso de Nova Iorque, onde esteve a viver e a trabalhar no último ano, com um novo livro de poesia acabado de chegar às livrarias (Estação Central), Tolentino Mendonça fala-nos da reaproximação da Igreja Católica ao mundo das artes (de que esteve divorciada nos últimos séculos), da estreita relação entre poesia e religião, e das obrigações acrescidas dos cristãos em tempos de crise.»

— Agenda para hoje —

Átrio dos Gentios: diálogo da Igreja com os não crentes em Assis abre com presidente da República de Itália
O presidente da República de Itália abre a 5 de outubro, em Assis, uma nova sessão do ‘Átrio dos Gentios’, plataforma da Igreja Católica para o diálogo entre crentes e não crentes. Giorgio Napolitano vai dialogar com o cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura, estrutura do Vaticano que coordena o ‘Átrio dos Gentios”, revelou a Sala de Imprensa da Santa Sé. “Trabalho, empresa e responsabilidade”, “contemplação e meditação”, “O diálogo intercultural e inter-religioso pela paz”, “Os jovens, entre fé e niilismo”, “O grito da terra”, “Arte e fé” e “O grito dos pobres, crise económica mundial, desenvolvimento sustentável” são os temas dos painéis que se realizam a 6 de outubro.

Átrio dos Gentios em Assis vai ser a primeira iniciativa do Ano da Fé | IMAGENS |
A realização do Átrio dos Gentios em Assis, a 6 de outubro, vai ser o primeiro ato do Ano da Fé, mesmo antes da sua abertura oficial, marcada para o dia 11 do mesmo mês, revela o calendário publicado na edição desta quarta-feira do jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano. A sessão que decorre na cidade italiana onde nasceu S. Francisco (1182-1226) é dedicada ao tema “Deus, este desconhecido”.. «O Átrio dos Gentios, integrado no Conselho Pontifício da Cultura, quer reunir e dar forma ao grito muitas vezes silencioso e despedaçado do homem contemporâneo em direção a um Deus que para um número crescente de pessoas permanece um “Deus desconhecido”», sublinha o texto de apresentação.

É novo » 4.10.2012

Hildegarda de Bingen: flor brilhante | IMAGENS + ÁUDIO |
Surpreenderá que esta mulher repartida por uma atividade intensa e, quase sempre, genial, que esta menina dos barões de Bermershein que ingressou aos oito anos num convento para «ressuscitar com Cristo na glória da imortalidade» e, depois, foi tudo, abadessa, escritora, música, visionária, pintora, que esta mulher espiritual que influenciava coroados e pontífices e se tornou, mesmo com os votos de clausura, viajante numa cristandade assombrada por tensões, nos idos do décimo segundo século, era afinal alguém de saúde frágil, de fisionomia insegura, atormentada por uma excessiva sensibilidade às condições climatéricas e aos fenómenos naturais. Diz-se que isso terá despertado em Hildegarda capacidades extraordinárias de perceção das forças biológicas e psíquicas e das suas subterrâneas correlações. O certo é a natureza lhe ter revelado as suas virtudes curativas e o Espírito os seus mistérios sobrenaturais.

Hildegarda de Bingen: “Das Virgens”, “Ó Pai Poderoso”, “Do Espírito Santo”
Graças a ti/ as nuvens flutuam, o éter voa,/ as pedras se humidificam,/ as águas nos regatos marulham/ e a terra destila vigor na verdura.// Tu exaltas os homens de ciência/ instruídos por inspiração da sapiência.// Por isso louvor te seja dado, tu que és som do louvor/ e gáudio da vida, esperança e honra poderosa/ dando os prémios da luz.

Agustina Bessa-Luís e S. Francisco de Assis | IMAGENS |
O franciscanismo apareceu como uma assistência social directa: instalou-se nos burgos, entrou no clima campesino e no lar operário; derramou-se pela fazenda burguesa, penetrou na praça comercial. Levou uma consciência nova dos problemas, até à reitoria, até à câmara, até ao paço. Até aí havia o teólogo e o exegeta. Debatiam-se os dogmas nos concílios, atalhava-se a heresia com complicadas teses. Cuidava-se do artigo de fé e do poder do clero. Francisco trouxe o pobre para a sociedade e recuperou Cristo no pobre. E fê-lo sem revolta, com uma sinceridade que subverte a revolta; que a torna menos soberana do que a realidade sofrida. Não disse: “Pobres, uni-vos.” Mas disse a todos: “Tornai-vos pobres”. Amai o dever de ser pobre, e não a confrontação e a luta.

S. Francisco de Assis: a escola do amor, a fonte da ternura
E assim o noivo da Pobreza, o ignorante do «Poverello», pela sua imensa confiança, pela visão originária do seu amor sem limites, deixa sob os seus passos o murmúrio duma das nascentes donde partirá a Ciência e, com ela, o maior valor económico que ao homem foi dado no planeta. É que o homem mal pode carregar com o peso das suas penas de todos os dias, com a carga dos seus limitados deveres; mas, se toma ás costas o sofrimento dos outros, as penas de todas as almas, o passo como se faz voo e a mortal tristeza, que o esmagava, fez-se hino triunfal, cântico, asa liberta, aurora dum outro dia, manhã de uma outra luz.

António Victorino d’Almeida leciona curso na Universidade Católica sobre compositores portugueses contemporâneos | VÍDEO |
A Universidade Católica Portuguesa abre esta quinta-feira, 4 de outubro, o curso livre de história da música intitulado “Saber Ouvir”, lecionado pelo maestro António Victorino de Almeida e pelo pianista Miguel Leite. Alfredo Keil (1850-1907), José Vianna da Motta (1868-1948), Luís de Freitas Branco (1890-1955), Fernando Lopes Graça (1906-1994), Fernando Corrêa de Oliveira (1921-1994), Joly Braga Santos (1924-1988), Constança Capdeville (1937-1992), Álvaro Cassuto (1938), Jorge Peixinho (1940-1995), Emanuel Nunes (1941-2012), António Pinho Vargas (1959), Mário Laginha (1960), Eurico Carrapatoso (1962) e Bernardo Sassetti (1970-2012) são alguns dos autores que vão ser estudados semanalmente até junho de 2013.

Doclisboa seleciona curtas da Escola das Artes da Universidade Católica | VÍDEO |
Três curtas-metragens produzidas pelo departamento de Som e Imagem da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa (Porto) integram a seleção do 10.º Doclisboa, festival internacional de cinema que decorre na capital de 18 a 28 de outubro. Os documentários, que vão ser apresentados na categoria “Verdes Anos”, são “Teles”, de José Magro, “Fado Canibal”, de Timóteo Azevedo, e “Canção do Desterro”, de Margarida Correia.

Roteiro apresenta santuários em torno da Capital Europeia da Cultura | VÍDEO |
O segundo projeto dos roteiros religiosos no âmbito de Guimarães Capital Europeia da Cultura é dedicado a santuários localizados na “coroa” da cidade: S. Torcato, Santa Marinha da Costa, Penha, Nossa Senhora da Lapinha e São Bento das Peras, em Vizela. «Mesmo um ateu não abdica de perceber a dimensão do monumento religioso», frisou o presidente da autarquia vimaranense.

Diogo Morgado é “Jesus” na série “Bíblia” produzida para o canal História
O ator português Diogo Morgado vai desempenhar o papel de Jesus Cristo na série dramática e documental “The Bible” (A Bíblia), que de acordo com o previsto estreia em televisão no próximo ano. As 10 horas divididas em cinco partes contam «algumas das histórias melhores conhecidas do livro mais popular da história», desde as narrativas da arca de Noé e do Êxodo até à crucificação e ressurreição de Cristo. «Nunca tive nada que se compare com o que estou a fazer. A energia que se gera é tanta que chega a ser palpável», contou o ator no Twitter.