É novo » 1.6.2012

8.ª Jornada da Pastoral da Cultura: Inscreva-se agora

Algumas proposições com crianças
Se foste criança diz-me a cor do teu país/ Eu te digo que o meu era da cor do bibe/ e tinha o tamanho de um pau de giz/ Naquele tempo tudo acontecia pela primeira vez/ Ainda hoje trago os cheiros no nariz/ Senhor que a minha vida seja permitir a infância/ embora nunca mais eu saiba como ela se diz.

Anúncios

É novo » 30.5.2012

Hino ao Espírito Santo, de Edith Stein
«Quem és tu,/ Doce luz que me preenche/ e ilumina a obscuridade do meu coração?/ Conduzes-me como a mão de uma mãe/ E se me soltasses,/ não saberia nem dar mais um passo./ És o espaço que envolve todo meu ser e o encerra em si./ Se Fosse abandonado por ti/ cairia no abismo do nada,/ de onde tu o elevas ao Ser./ Tu, mais próximo de mim que eu mesmo/ e mais íntimo que minha intimidade,/ E, sem dúvida,/ permaneces inalcançável e incompreensível,/ E que faz brotar todo nome:/ Espírito Santo — Amor eterno!» Num clima místico, poucos meses antes da sua deportação para Auschwitz, nasce uma das mais belas orações de Edith Stein, Santa Benedita da Cruz. Um hino ao Espírito Santo. Foi o seu «último pentecostes».

Cinema: Cosmopolis
Em 2000 Eric M. Parker é um bilionário de 28 anos que personifica o paradigma do nosso tempo: o poder construído sobre o domínio da informação, a gestão da informação gerida ao nanossegundo, a integridade física e emocional obsessivamente protegida por uma redoma que o mantém intocável. Na vertigem do domínio sobre os mercados, pessoas e todas as coisas, para as quais criou uma noção de equilíbrio, Parker reconhece no entanto o desejo do intangível e a existência de algo que falhou na ambicionada perfeição, que o leva agora a procurar, mais que uma explicação, um sentido. O tempo escapa-se-lhe e a exposição é inevitável.

É novo » 29.5.2012

O Deus de Etty Hillesum
A imagem que Etty apresenta de Deus é uma frescura de esperança no meio dos escombros. Crer em Deus significa viver de tal maneira e com tanta intensidade que não é possível viver como se Ele não existisse.«A minha vida tornou-se um diálogo ininterrupto contigo, meu Deus, um único grande diálogo» (Etty, Páginas místicas). Os seus escritos revelam um ser humano com uma rara capacidade de viver e de assumir dialogicamente em si a dor do mundo. O diálogo situa-se no drama da alteridade. É na perceção e na vivência do absurdo humano que esta hebreia faz a sua incursão no mundo de Deus, redescobrindo a fé escondida no seu «coração pensante». Na sua disposição crente não há separação entre as diversas dimensões do acreditar (fé-razão, afeto-pensamento). O encontro do homem com Deus «não tem lugar, senão no milagre e no paradoxo da fé» (Bouillard).

«Poesia sempre foi uma linguagem de Deus»
O poeta Vergílio Alberto Vieira afirmou esta quarta-feira no centro de Braga que a «poesia sempre foi uma linguagem de Deus», palavra em que mais ocupa o seu tempo. As afirmações foram proferidas no primeiro encontro “Conversas com Deus na Praça”, organizado pela Igreja Católica nas arcadas da Praça da República. Membros do Grupo de Poesia da Associação Recreativa e Cultural Universitária do Minho tocaram e disseram dois poemas intitulados “Ignoto Deo”, de Almeida Garrett e José Régio, além de “Eterno Retorno”, de António Gedeão, e “Não Creio Nesse Deus”, de António Aleixo. «Deus perdido na praça pública é um paradoxo. Estamos habituados a fechá-lo nos lugares ditos sagrados», sublinhou José Gomes, enquanto que Pompeu Martins declarou que «falar de Deus e do amor é a grande questão» contemporânea.

É novo » 25.5.2012

Biblioteca do Vaticano apresenta livro com fotografias enviadas aos papas
A Biblioteca Apostólica do Vaticano apresenta esta sexta-feira, 25 de maio, a obra “The Papal Collection of Photographs in the Vatican Library” (A coleção papal de fotografias na Biblioteca do Vaticano), com imagens desconhecidas do grande público. A edição estuda e reproduz mais de 100 fotografias, centrando-se no período entre os meados do século XIX e a época da II Guerra Mundial (1939-1945). O acervo «é extremamente importante não só pelas próprias imagens – há belíssimos exemplos de fotógrafos que na sua maior parte são desconhecidos, muitos deles amadores – mas também pela sua importância histórica».

Dulce Pontes vai cantar para Bento XVI
A cantora portuguesa Dulce Pontes vai cantar para Bento XVI no dia 2 de junho, durante o 7.º Encontro Mundial de Famílias que decorrerá na cidade italiana de Milão. A artista foi convidada a participar na “Festa dos Testemunhos”, que reunirá atores, uma orquestra sinfónica, coros de Gospel, bandas pop e de “world music”, assim como artistas de circo.

É novo » 24.5.2012

Cinema: A pesca do salmão no Iémen | VÍDEO + FOTOGRAFIAS |
Quem se fixe neste título, tão improvável, irá possivelmente desconfiar do conteúdo do mais recente filme de Lasse Hällstrom. Obviamente assente numa ideia delirante, o filme satiriza muito bem o alcance da ideia de globalização e a (in)existência de fronteiras; o poder do dinheiro e a fidelidade aos mais genuínos e benfazejos sonhos. Pelo meio, conduz-nos por entre metáforas, saborosos diálogos e inusitadas sequências, à revelação da muita sabedoria, perseverança e fé necessárias ao cumprimento de um ideal.

Leitura: Charles Dickens em Portugal
Quer por via da tradução direta, quer através da intermediação de um idioma terceiro (quase sempre o francês), em texto integral ou truncado, condensado, adaptado ou resumido, a obra de Dickens encaminha-se das margens para o centro do subsistema da literatura traduzida em Portugal e atinge nele o lugar canónico que o espaço internacional também lhe atribui. A irradiação das personagens, das situações, da verosimilhança descritiva e da qualidade modelar da arte narrativa de Dickens comprova que a sua obra encerra valores suscetíveis de captar as atenções de um público muito heterogéneo, quanto à faixa etária, ao nível cultural médio, à experiência prévia de sensibilidade estética e aos padrões do gosto que, em boa parte, decorrem de circunstâncias variáveis de tempo e de lugar.

É novo » 22.5.2012

Átrio dos Gentios em Barcelona: Cristo é um «homem de diálogo», sublinhou cardeal Ravasi
«O retrato que o Evangelho nos oferece de Jesus é de um homem de diálogo», sublinhou o cardeal italiano D. Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura. A intervenção do responsável foi proferida este sábado na Basílica da Sagrada Família, durante a sessão conclusiva do Átrio dos Gentios em Barcelona, dedicado ao tema “Arte, beleza e transcendência”. O especialista em estudos bíblicos lembrou os trechos do Novo Testamento em que Jesus se confronta com a figura de Satanás e outros «interlocutores hostis», como escribas, fariseus, saduceus e sacerdotes.

É urgente «acolher pacientemente outras formas de dizer e propor Deus»
Numa época de tantas pressas, numa cultura de consumo imediato, urge acolher pacientemente outras formas de dizer e propor Deus sem julgamentos a priori. Se é verdade que a inspiração exige “transpiração”, isto é, capacidade de contenção, de maturação, de repensar antes de verbalizar, também é certo que se torna necessário educar os sentidos, sensibilizar para a diferença não apenas os pastores, mas todos em geral, para que acolham com afeto e respeito (mesmo quando discordante) a obra proposta. A evangelização, hoje como em outros tempos, exige o recurso a imagens, sons e outras formas de arte que motivem o homem a sair de si para encontrar outros sentidos para a vida, muito para além da materialidade das coisas, algo que nos estimule a experimentar a beleza do mistério de Deus.

«Este precioso tesouro…»: Agradecimento do bispo do Porto, D. Manuel Clemente, pelo doutoramento Honoris Causa
Que podemos retirar para agora, nesta segunda, difícil e perplexa década do século XXI, das primitivas alusões à universidade em Portugal, nos longínquos finais do século XIII? Além da evocação, sempre oportuna, no fecundo lastro da memória coletiva, creio que em dois pontos poderemos fixar-nos: no ideal integrador do saber e na conveniência geral da sociedade. Quando se constata a especialização cada vez maior de humanidades e ciências e a deriva tecnicista e utilitária que tantas vezes enviesa estas últimas e eventualmente as primeiras -, urge retomar mais à frente o ideal universalista do saber, onde se aproximem demandas e partilhem conhecimentos, não deixando de fora nada do que à humanidade interesse. As propostas feitas, os cursos oferecidos, as viabilidades possíveis, tudo depende em grandíssima parte do acerto da Universidade com as necessidades e aspirações, evidentes ou pressentidas, do todo social e cultural em que se integra.

Discurso do bispo de Bragança-Miranda na Academia Internacional da Cultura Portuguesa
“Do Movimento Litúrgico à Reforma Litúrgica em Portugal”: Este breve itinerário histórico mostra o desenvolvimento da liturgia ao longo das diferentes épocas culturais, constatando que ela é um organismo vivo que se movimenta na história da Igreja. A liturgia desenvolveu-se ao longo dos dois primeiros milénios do cristianismo e mesmo depois da última reforma conciliar irá continuar o seu desenvolvimento. Ela é a continuação do crescimento permanente do anúncio da Palavra de Deus e da experiência do mistério de Cristo celebrado na comunidade cristã.

É novo » 17.5.2012

Diocese de Viana do Castelo investe no diálogo com a cultura
O Conselho Presbiteral da diocese de Viana do Castelo, organismo representativo dos padres diocesanos, decidiu promover «o diálogo com as pessoas dedicadas à cultura e a outros setores da sociedade», como o trabalho, empresas e ensino. Na reunião realizada esta terça-feira foram também dadas orientações para atividades a desenvolver pelo Instituto Católico diocesano, como cursos de ministérios, música sacra, liturgia e oração. Estas e outras iniciativas pretendem destacar o Ano da Fé, que por vontade de Bento XVI começa a 11 de outubro, dia em que se assinalam os 50 anos do início do Concílio Vaticano II (1962-1965).

A intervenção dos leigos na sociedade
A par do problema do défice de associativismo católico, uma outra questão afeta a intervenção pública dos católicos em Portugal: o da sub-representação católica nas instituições políticas. É este respeito público pela consciência católica que tem vindo a perder-se em Portugal, não apenas por via da secularização da sociedade e da laicização do estado, mas sobretudo por uma deliberada intenção de fazer desaparecer o catolicismo organizado da vida pública, e que urge uma resposta da Igreja, não apenas do seu laicado mas também do seu clero e da sua hierarquia, pois é sobre a Igreja na sua totalidade que recai a responsabilidade de tornar audível a sua voz e percetível a sua presença.

Igreja Católica quer dialogar «olhos nos olhos» com a cultura e os não crentes | VÍDEO |
Conversar «olhos nos olhos»: é este o objetivo do Átrio dos Gentios, plataforma para o diálogo entre a Igreja e os não crentes, segundo as palavras do seu responsável, o cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura. O prelado italiano apresentou este sábado em Fátima a iniciativa que chega pela primeira vez a Portugal nos dias 16 e 17 de novembro, fazendo escala nas capitais europeias da cultura e da juventude. O arcebispo bracarense, D. Jorge Ortiga, sublinhou que o Átrio dos Gentios nas cidades minhotas pode ganhar dimensão nacional.

Exposição: A Família na Arte | IMAGENS |
“A vida partilhada: Os gestos da família nas imagens da arte” é o título da exposição inaugurada esta terça-feira em Milão, com a adesão do presidente da República italiano. «Criar, crescer, cuidar, educar, preservar são os verbos que se ligam a este lugar de incorporação a que é confiada a transmissão da vida, dimensões que traçam o perfil de identidade, desde o início da existência do homem, logicamente anterior à constituição de cada crença religiosa ou de qualquer forma de vida social», refere o texto de apresentação da iniciativa. As 60 obras dividem-se em quatro secções – “A família”, “O acolhimento”, “A relação” e “No quotidiano” – compreendendo obras criadas entre a Idade Média e o século XXI, algumas inspiradas na Bíblia.

“Antígonas”: «eu não nasci para odiar mas sim para amar»
A mensagem intemporal de uma voz que se insurge contra as injustiças e que proclama um bem superior. Assistir à história em 2012 é pensar na impressionante longevidade de “Antígona” – e suspirar pela intervenção de mais timbres fraternos fora do palco, que inspirem a revolta contra o sangue. O grupo de Teatro da Universidade Técnica de Lisboa assinala os seus 30 anos com uma dramaturgia feita a partir de quatro textos sobre Antígona, em que o original de Sófocles se cruza com versões propostas por Jean Anouilh, Bertolt Brecht e a filósofa espanhola Maria Zambrano. «Com mais de 2500 anos, tem atravessado a história do teatro ocidental. Muitos dramaturgos, incluindo portugueses, como António Pedro, interessaram-se muito por esta temática; alguém que dá um grito: eu não nasci para odiar mas sim para amar».

— Agenda para hoje —

Universidade Católica organiza congresso internacional sobre Virgílio Ferreira | IMAGENS |
O Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa vai organizar em maio o Congresso Internacional “Vergílio Ferreira: Da Ficção à Filosofia, no Cinquentenário de Estrela Polar e Da Fenomenologia a Sartre”. «Num tempo de desnorte e de vazio antropológico, trazer uma vez mais ao debate um autor [1916-1996] que não se cansa de procurar o “homem fundamental”, afigura-se tarefa urgente e necessária», sublinha o texto de apresentação.

Arte, beleza, transcendência: Barcelona recebe Átrio dos Gentios
A cidade espanhola de Barcelona recebe a 17 e 18 de maio o Átrio dos Gentios, plataforma para o diálogo entre crentes e não-crentes estabelecida pelo Conselho Pontifício da Cultura, da Igreja Católica. O encontro, dedicado ao tema “Arte, beleza, transcendência”, vai ser presidido pelo cardeal Luís Martínez Sistach, arcebispo da diocese catalã. O diretor executivo do Átrio dos Gentios, padre Laurent Mazas, explicou que o Conselho Pontifício da Cultura, dirigido pelo cardeal italiano Gianfranco Ravasi, tinha pensado realizar duas sessões por ano, mas decidiram aumentar para seis dado que «chovem os pedidos».