É novo » 1.2.2012

Leitura: Antologia de textos de Maria de Lourdes Pintasilgo
“Para um novo paradigma: um mundo assente no cuidado” é a antologia de textos de Maria de Lourdes Pintasilgo (1930-2004) que a Fundação Cuidar O Futuro e as Edições Afrontamento vão lançar a 15 de fevereiro, em Lisboa. A obra, com prefácio de Marcelo Rebelo de Sousa e posfácio de Maria João Seixas, vai ser apresentada por Maria de Belém Roseira. O Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura adianta a “nota introdutória” do volume sobre a única primeira-ministra de Portugal e a segunda da Europa.

Ciclo “Evangelização e cinema”
“Evangelização e cinema” é o tema de um módulo de três sessões que o Instituto Diocesano da Formação Cristã do Patriarcado de Lisboa vai realizar em fevereiro. «Qualquer filme, desde que tenha o mínimo de qualidade», apresenta «não só dimensões estéticas extremamente importantes mas também conteúdos humanos interpelativos», sublinhou o coordenador da iniciativa, cónego António Janela. Em declarações ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, o responsável realçou que «as pessoas vão ao cinema e não tem um instante de reflexão», enquanto que críticos «ficam-se muitas vezes só pelos aspetos formais».

Anúncios

É novo » 31.1.2012

Vaticano II: O seguimento de Cristo na vocação religiosa
Os religiosos, fiéis à profissão, deixando tudo por amor de Cristo, sigam-no como única coisa necessária, ouvindo a Sua palavra, solícitos das coisas que são d’Ele. Por isso, os membros de qualquer Instituto, buscando acima de tudo e unicamente a Deus, saibam conciliar a contemplação, pela qual aderem a Deus pela mente e pelo coração, com o amor apostólico; é este amor que os leva a esforçar-se por se associarem à obra da Redenção e por dilatar o Seu reino.

Cinema: “O Artista” | VÍDEO + IMAGENS |
Se o filme nos trouxesse apenas a evocação de outros tempos, apenas uma boa história ou uma boa história bem filmada, enquadrada ou contada, não bastaria. “O Artista” não só apresenta uma boa combinação de todos estes elementos como se destaca no cartaz por dois motivos essenciais: o caráter diferenciado da sua natureza, enquanto produto, e a preservação de uma essência cinematográfica que não está, como enganosamente se pode crer, tão permeável à passagem do tempo e da evolução tecnológica.

É novo » 26.1.2012

Sabedoria e Fraternidade
«O que a Sabedoria propõe é de facto a Fraternidade. Sendo ela revelação da unidade na totalidade, mostra os caminhos por meio dos quais se realiza a unidade da família humana: a partilha e comunhão dos bens da vida e da terra; a solidariedade que faz a cada um sentir-se, e ser, de facto, responsável por todos; a ousadia de interceder, na oração, por todos os que necessitam de ajuda, e de pedir perdão por aqueles que não sabem o que fazem; a convicção íntima de que cada homem representa a humanidade inteira; a partilha dos bens com os necessitados. A Sabedoria mostra também que cada gesto de solidariedade, cada ato de amor, cada renúncia em favor de alguém, é realmente mais um passo que nos aproxima da Fraternidade.» Intervenção de integral de José Mattoso na Jornada da Pastoral da Cultura de 2011.

D. Sebastião Soares Resende: a denúncia da ditadura e do colonialismo no Vaticano II
Assinalaram-se esta quarta-feira, 25 de janeiro, os 45 anos da morte de D. Sebastião Soares de Resende. O primeiro bispo da diocese da Beira, em Moçambique, foi o prelado português que mais interveio no Concílio Vaticano II, onde denunciou as ditaduras e o colonialismo. O «Estatuto do Indígena» era o que mais afligia D. Sebastião. As relações laborais desenvolvidas pelos brancos defendiam a tese de que os negros estavam inexoravelmente destinados ao trabalho pesado nas colónias. Na Beira, a escravatura morava no algodão. «Nós cá dentro continuamos a vender pretos e a escravizá-los ao algodão, obrigando-os a fazer trabalhos debaixo de pancadaria, e isto é incrível e espantoso.» Notas guardadas pelo bispo no seu «diário».

Vaticano II: Cultura, direito e dever
Dado que hoje há a possibilidade de libertar muitos homens da miséria da ignorância, é dever muito próprio do nosso tempo, principalmente para os cristãos, trabalhar energicamente para que, tanto no campo económico como no político, no nacional como no internacional, se estabeleçam os princípios fundamentais segundo os quais se reconheça e se atue em toda a parte efetivamente o direito de todos à cultura correspondente à dignidade humana, sem discriminação de raça, sexo, nação, religião ou situação social. Pelo que a todos se deve suficiente abundância dos bens culturais.

É novo » 25.1.2012

O Hino ao Silêncio de Bento XVI | IMAGENS |
«É no silêncio, por exemplo, que se identificam os momentos mais autênticos da comunicação entre aqueles que se amam: o gesto, a expressão do rosto, o corpo enquanto sinais que manifestam a pessoa.» «O Deus da revelação bíblica fala também sem palavras: «Como mostra a cruz de Cristo, Deus fala também por meio do seu silêncio.» «Se Deus fala ao homem mesmo no silêncio, também o homem descobre no silêncio a possibilidade de falar com Deus e de Deus.» Excertos da mensagem para a Jornada Mundial das Comunicações Sociais de 2012.

Diálogo entre religião e cultura nunca foi tão necessário como hoje, diz reitor da Universidade Católica
O reitor da Universidade Católica Portuguesa (UCP) considera que «nunca como hoje foi tão necessário o diálogo entre a fé e a razão, entre a religião e a cultura, entre a Igreja e a sociedade». Na mensagem para o Dia Nacional da UCP, que em 2012 assinala 45 anos, Manuel Braga da Cruz sublinha que a instituição que dirige «é chamada hoje a constituir um fermento de transformação na vida universitária, na ciência, na cultura, na sociedade».

Paulo: de Tarso para o mundo | VÍDEO |
Neste documentário das Paulinas os Atos dos Apóstolos são reescritos na forma de um conto visual, em que a pessoa de Paulo é colocada no seu tempo, graças a informações históricas, literárias, arqueológicas culturais. O excerto que apresentamos refere-se ao quarto capítulo, quando a comunidade de Jerusalém se reúne com Paulo para decidir os procedimentos a tomar em relação aos pagãos que desejam aderir ao Evangelho.

Ilda David’ pinta um vulcão chamado Paulo de Tarso | IMAGENS SLIDE SHOW |
Um dos aspectos que a marcou foi a presença de mulheres na liderança das comunidades paulinas. “Era uma novidade grande, haver mulheres que arriscaram desde o princípio”. Outro, foi a genialidade da figura de Paulo: É impressionante a transformação de alguém que muda o sentido da sua vida e conserva a mesma persistência e obstinação. É uma das personagens mais fascinantes da Bíblia.”

Sao Paulo: missionário e fabricante de tendas
Paulo tinha escolhido um ofício que, virtualmente, lhe garantia trabalho em todas as estradas por onde andasse ou em todos os mares por onde navegasse. A sua escolha tinha, no entanto, uma desvantagem. Estigmatizava-o como pertencendo à classe trabalhadora, que era desprezada pela classe liberal, na qual ele tinha de recrutar um ou dois crentes, em cada cidade, se quisesse ter uma casa suficientemente grande para poder reunir os seus convertidos. O sítio natural para os encontrar era como clientes da oficina que o tinha contratado. Isso dava-lhe a oportunidade para falar de negócios, mas devia haver alguma coisa na personalidade de Paulo que os levava a regressar para falarem de Jesus Cristo.

Carta de São Paulo a Filémon lida por Luís Miguel Cintra | VÍDEO |
«Paulo, prisioneiro por causa de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, a Filémon, nosso querido colaborador, à irmã Ápia, a Arquipo, nosso companheiro de luta, e à igreja que se reúne em tua casa: a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo!»

As grandes viagens de São Paulo | IMAGENS |
Na primeira viagem, ocorrida nos anos 46-48, o relevo vai para o discurso na sinagoga de Antioquia de Pisídia, em que S. Paulo se volta para os gentios. A segunda viagem, nos anos 49-52, inclui o percurso da primeira, mas prolonga-se até Atenas. O ponto culminante é o discurso no Areópago daquela cidade. Na terceira viagem, entre 53-57, S. Paulo segue, em grandes traços, o percurso anterior mas o caminho do regresso é muito diferente. A viagem de S. Paulo prisioneiro para Roma (59-62), seguindo o caminho do mar, tem a particularidade de passar pelas ilhas de Creta e Malta.

Excertos de São Paulo
«Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência, ainda que eu tenha tão grande fé que transporte montanhas, se não tiver amor, nada sou. Ainda que eu distribua todos os meus bens e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor, de nada me aproveita. O amor é paciente, o amor é prestável, não é invejoso, não é arrogante nem orgulhoso, nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se irrita nem guarda ressentimento. Não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais passará.»

“O Concílio Vaticano II na vida da Igreja – A condição crente, hoje” é o tema das Jornadas de Estudos da Faculdade de Teologia de Lisboa
“O Concílio Vaticano II na vida da Igreja – A condição crente, hoje” é o objeto escolhido pela Faculdade de Teologia (Lisboa) da Universidade Católica Portuguesa para as suas próximas Jornadas de Estudos. «A formulação e o desenvolvimento do tema pretendem unir a memória do Concílio Vaticano II e seu significado atual com as condições que envolvem a existência crente no mundo de hoje, tendo em conta a interpelação expressa pela próxima celebração do “Ano da Fé”».

Órgão Ibérico toca todos os meses em Guimarães Capital Europeia da Cultura
A 4.ª edição do Festival Internacional de Órgão Ibérico, organizado pela Santa Casa da Misericórdia de Guimarães, junta-se ao programa da Capital Europeia da Cultura e quase duplica o número de concertos, que passam dos habituais sete para 12, um por mês. A iniciativa coordenada pelo organista italiano Giampaolo Di Rosa, titular do novo grande órgão da igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma, começa esta sexta-feira.

“O Concílio Vaticano II na vida da Igreja – A condição crente, hoje” é o objeto escolhido pela Faculdade de Teologia (Lisboa) da Universidade Católica Portuguesa para as suas próximas Jornadas de Estudos. «A formulação e o desenvolvimento do tema pretendem unir a memória do Concílio Vaticano II e seu significado atual com as condições que envolvem a existência crente no mundo de hoje, tendo em conta a interpelação expressa pela próxima celebração do “Ano da Fé”».

É novo » 24.1.2012

Teatro: “Vermelho” pinta um Rothko maior do que a vida | IMAGENS + VÍDEO |
O espetáculo mostra um ser humano em profunda reflexão sobre a consequência dos seus atos. O autor incrustou no texto pequenas pérolas do próprio Rothko, e inventou as situações que lhes poderiam ter dado origem. O resultado é um condensado muito plausível da vida anterior e posterior de Rothko. No fim de tudo, o pintor repete a pergunta que fez no início, a respeito de um quadro que estaria pendurado exatamente na plateia que dá para a plateia. «O que é que vês?» A resposta é a mesma: «Vermelho». Porém, o dito e feito durante o espetáculo tornou esta palavra mais rica e diversa. A peça faz uma das operações maravilhosas do teatro: a condensação em poucas e simples palavras de um drama pessoal excessivo.

Dia da Memória do Holocausto com filme de Daniel Blaufuks e poemas de Primo Levi e Paul Célan | VÍDEO |
A Assembleia da República promove esta sexta-feira, 27 de janeiro, a edição de 2012 do Dia da Memória do Holocausto, associando-se à comemoração internacional para lembrar e homenagear a memória das vítimas que pereceram. O Salão Nobre de São Bento recebe na quinta-feira, às 18h30, uma leitura de poemas de Primo Levi e Paul Célan, além da projeção do documentário “Sob céus estranhos”, de Daniel Blaufuks. Leia dois poemas e veja um excerto do filme.

Espiritualidade: «Onde quer que estejamos, podemos e devemos aspirar à vida perfeita»
Os católicos assinalam esta terça-feira, 24 de janeiro, a memória de S. Francisco de Sales (1567-1622), bispo e doutor da Igreja de origem francesa, patrono dos jornalistas, autores, escritores e surdos-mudos. O cofundador da Ordem da Visitação é considerado o pai da espiritualidade moderna. «A devoção deve ser exercida de maneira diferente pelo fidalgo e pelo operário, pelo criado e pelo príncipe, pela viúva, a solteira ou a mulher casada; e não somente isto: é necessário acomodar o exercício da devoção às forças, aos trabalhos e aos deveres de cada pessoa em particular.»

«Cesária Évora foi uma criação de Deus» | IMAGENS |
«Cesária Évora foi uma criaçāo de Deus. Ela é a parábola viva da história de um povo. Nascida há 70 anos, em tempo de fome na sua terra, situaçāo grave e crítica que, na altura, forçou milhares de caboverdianos a emigrar para Senegal, esta grande mulher, artista, nāo obstante o mar de dificuldades e contrariedades da existência, soube reencontrar-se, e reencontrar um rumo para a sua vida.» Com estas palavras o embaixador de Cabo Verde em Roma, abria a sessāo evocativa da «diva dos pés descalços» e recordava o objetivo daquele «ato da comunidade: interceder e agradecer ao Criador a alma singela, que, de maneira divinal, divulgou a cultura, a música, a naçāo e se empenhou na luta contra a fome no mundo».

Cinema: J. Edgar | IMAGENS + VÍDEO |
Em 1935 o FBI (Gabinete Federal de Investigação) é criado e J. Edgar o seu primeiro e prepotente diretor. Se os cidadãos americanos se sentem seguros das ameaças que aquele departamento identifica e destrói, nenhum cidadão com um segredo está realmente a salvo do poder tentacular da instituição. Há muito que o realizador Clint Eastwood se empenha num retrato multifacetado duma América nada linear. Di Caprio tem mais um desempenho extraordinário que lhe poderá granjear o primeiro Óscar da sua carreira.

Imagem de Nossa Senhora de Fátima retirada do paquete Costa Concordia | IMAGENS |

É novo » 23.1.2012

Missa de Pentecostes, de João Madureira, estreia-se em concerto | ÁUDIO |
A “Missa de Pentecostes” composta por João Madureira e estreada na Capela do Rato, em Lisboa, em maio de 2010, vai pela primeira vez ser apresentada em concerto. «O facto de se tratar de uma missa de Pentecostes motivou a integração de uma pluralidade de linguagens musicais e, naturalmente, do ordinário comum da missa, num espaço cultural mais vasto, em que testemunhos de escritores de origens várias e épocas diversas se podem abraçar – testemunhos de vários homens e tempos que são revisitados como forma de melhor entendermos o tempo que é o nosso e a humanidade que somos», escreve o compositor.

Salve Regina
«Isto já não tem melhoras» – acabou/ por nos dizer Zulmira, referindo-se/ à sua perna atropelada, à vida,/ ao filho que há três anos lhe mataram,/ embora se chamasse Epifânio.

É novo » 22.1.2012

Guimarães, Capital Europeia da Cultura: Nota da Igreja Católica em Portugal
«Na ocasião em que a cidade de Guimarães se torna capital europeia da cultura, a Igreja em Portugal, através do seu Secretariado da Pastoral da Cultura, vem publicamente manifestar a sua viva alegria e associar-se a quantos vivem este momento com entusiasmo e esperança.» «A cultura é um espantoso laboratório de vida nas diversas formas em que a criação se expressa. Ela permite-nos o reencontro profundo, e sempre novo, não só com a herança de gerações, mas também com o nosso próprio presente que, sabemos, ficaria incompleto se não nos estimulasse, a todos, a fazer a experiência efetiva da sabedoria e da beleza.»

Igreja Católica dá as boas vindas a Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura
A Igreja Católica divulgou uma nota que saúda com «viva alegria» Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura e sublinha que Portugal «precisa dos artistas» e tem com eles uma «dívida de gratidão». Numa época de dificuldades económicas «é fundamental que o trabalho dos artistas seja considerado na sua dignidade», acrescenta o documento divulgado no dia em que a cidade localizada na arquidiocese de Braga se torna Capital Europeia da Cultura.

Santuário de Nossa Senhora de Fátima em Paris recebe missa em memória de Cesária Évora
O reitor do Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Paris, preside neste domingo a uma missa em memória da cantora cabo-verdiana Cesária Évora, promovida pela Câmara Municipal da capital francesa. O vice-presidente da comissão para a Cultura e Relações Internacionais da autarquia, Hermano Sanches Ruivo, disse à agência Lusa que a celebração se realiza a pedido de muitos membros da comunidade cabo-verdiana em França, mas acrescentou que já era intenção do município homenagear a artista.