É novo » 1.11.2011

Só há uma infelicidade, que é a de não sermos santos
O que salva o mundo é a santidade: ela dá flexibilidade à dureza, torna uno o dividido, dá liberdade ao aprisionado, põe esperança nos corações abatidos, esconde o pão no regaço dos famintos, abraça-se à dor dos que choram e dança com outros a sua alegria. A santidade é um sulco invisível, mas torna tudo nítido em seu redor. A santidade é anónima e sem alarde. A santidade não é heroica: expressa-se no pequeno, no quotidiano, no usual. O pecado é a banalidade do mal. A santidade é a normalidade do bem.

Anúncios

É novo » 31.10.2011

O catolicismo português de ontem para amanhã
O catolicismo – ramo maioritário do cristianismo em Portugal – apresenta-se entre nós como instituição, como cultura e como proposta. Em qualquer destes pontos enfrenta grandes desafios, de ontem para amanhã. Como instituição, o individualismo (enquanto individualização); como cultura, o imediatismo (do “penso logo existo” ao “sinto logo existo”); como proposta, o tolerantismo (precisamente como não proposta).

Grupo Vocal Olisipo interpreta “Virgem da Lapa” e “Senhora do Amparo”, com música de Eurico Carrapatoso | VÍDEO |

É novo » 30.10.2011

O maior entre vós é o vosso servo
Jesus criticou os fariseus por muitos motivos e um deles era o facto de quererem ser melhores do que todos os outros em público. A Litania da Humildade era uma oração que os fariseus fariam bem em rezar e praticar. Há um pouco dos fariseus dentro de cada um de nós, talvez mais nuns do que noutros. Meditação sobre o evangelho do 31.º Domingo.

Joana Carneiro explica concerto de música clássica
A maestrina vai fazer «uma viagem pelos diferentes géneros e momentos da história da música clássica, à medida que os músicos a interpretam e a cantam.

É novo » 27.10.2011

Manoel de Barros: Poesia completa
Não precisei de ler São Paulo, Santo Agostinho, / São Jerônimo, nem Tomás de Aquino, nem São / Francisco de Assis – / Para chegar a Deus. / Formigas me mostraram Ele. // (Eu tenho doutorado em formigas.)». Autor de uma vasta obra, é um dos mais notáveis poetas brasileiros contemporâneos. Obteve os maiores prémios literários do seu país. Cinco poemas da obra “Poesia completa”.

Os crentes e os que procuram | IMAGENS |
«[Existem] no mundo do agnosticismo em expansão (…) pessoas às quais não foi concedido o dom de poder crer e todavia procuram a verdade, estão à procura de Deus. Tais pessoas não se limitam a afirmar «Não existe nenhum Deus», mas elas sofrem devido à sua ausência e, procurando a verdade e o bem, estão, intimamente estão a caminho d’Ele. (…) Que os agnósticos não consigam encontrar a Deus depende também dos que creem, com a sua imagem diminuída ou mesmo deturpada de Deus.» Com fotografias do encontro inter-religioso que hoje decorreu em Assis, com Bento XVI e responsáveis de tradições religiosas.

É novo » 26.10.2011

Capela Árvore da Vida pelo olhar do fotógrafo Nelson Garrido | IMAGENS |

Análise ao romance “O último segredo”, de José Rodrigues dos Santos
Tal como Dan Brown, também José Rodrigues dos Santos recorre a um tópico apelativo. Desde logo, o título prima pela eficiência, convidando o leitor a partilhar com o autor a descoberta de algo de essencial. Aliás, este não é apenas um qualquer segredo, ou até mesmo o segredo, mas sim, o último. A leitura corresponderá, assim, a uma transformação radical do leitor. O conhecimento, quem não o deseja? Acresce a este aspeto a informação inicial de que “todas as citações de fontes religiosas e todas as informações históricas e científicas incluídas neste romance são verdadeiras.” Verdadeiras? O que significa?

É novo » 25.10.2011

Documentário: O meu Raul | VÍDEO | | IMAGENS |
Na semana em que o espaço do jornalismo cinematográfico é ofuscado pela retumbante estreia de “As Aventuras de Tintin – O Segredo do Licorne”, portentosa e arriscada adaptação a imagem real da mais famosa personagem BD de Hergé, pelo creditado Spielberg, poucos darão pela estreia de Patrícia Vasconcelos atrás das câmaras, com um filme que nos traz de volta o “nosso” Raul Solnado. Imprimindo a diferentes gerações diferentes estilos, a partir de um mesmo dom e singularidade na arte de comunicar e tocar os outros, Solnado cedo se afirmou pelo desejo de ser ator ou, no seu dizer, «vendedor de sonhos».