É novo » 30.09.2011

Inutilidade…
As cidades precisam de ser «lugares de “concidadania”, urbanisticamente plasmada e possibilitada, proporcionando encontros em que a “inutilidade” anterior se torne agora da maior “utilidade” futura, para um indispensável e solidário civismo, onde o acontecer nasça do conviver (…). Entre “pessoas” o tempo nunca é dinheiro, pois cada uma delas é o máximo valor. Com a “inutilidade” que finalmente são, ainda que nisso mesmo sejam úteis à personalidade real de nós todos». Texto integral da conferência de D. Manuel Clemente na abertura da Experimentadesign 2011.

Faculdade de Arquitetura lança segunda edição do curso de arquitetura de igrejas | VÍDEO |
A hipótese que preside à organização deste curso é a de que o problema da moderna arquitetura de igrejas não depende da carência expressiva da forma destas (que o valor da arquitetura contemporânea desmente), nem do desinteresse social acerca do seu conteúdo (que o recrudescer dos fenómenos religiosos nega), mas da inadequação da forma arquitetónica da igreja ao seu conteúdo religioso específico.

É novo » 29.9.2011

Bispo do Porto inaugura “experimentadesign” e pede aos portugueses para acreditarem em Portugal
D. Manuel Clemente considerou que o debate em volta da «utilidade e inutilidade» é da «maior relevância num momento de profunda interrogação acerca do presente», em Portugal e na Europa. «Se estamos mesmo convencidos de que o eixo, o nó, o fulcro de qualquer resolução é a dignidade de cada pessoa humana, revemos as prioridades», declarou o Prémio Pessoa 2009.

Exposição de José Escada | IMAGENS |
A exposição de José Escada (1934-1980) que decorre até 2 de outubro no Centro de Arte Manuel de Brito, em Algés, Oeiras, «pretende prestar um testemunho e divulgar este artista algo esquecido no contexto da História da Arte Portuguesa. Um traço de união existe em toda a sua obra: para a produzir, Escada sentiu sempre a permanente necessidade de saber mais, de aprofundar o conhecimento, de querer descobrir os mistérios da linha, da cor, da luz e da geometria. Numa frase: de querer desvendar os enigmas da arte e da vida».

Cinema: Os famosos e os duendes da morte | IMAGENS | | VÍDEO |
Em 1965, o cantor norte americano Bob Dylan compôs e interpretou “Mr. Tambourine Man”, um tema escrito na sequência de sua uma passagem pelo Carnaval de Nova Orleães e de que se diz ser visível, ou melhor, audível, tal influência na letra e na melodia vivas e expansivas. Entre deitar tudo a perder e tentar uma alternativa, Tambourine encontra na internet um possível escape e, aos poucos, descobre novos mundos e relações. Do virtual ao real, fica a incógnita sobre o sucesso e sanidade de tal opção.

Bispo do Porto inaugura “experimentadesign” e pede aos portugueses para acreditarem em Portugal

É novo » 28.9.2011

Porto recebe prémio exposição de arquitetura religiosa
A equipa de Arquitetura do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura inaugura a 14 de outubro, no Porto, a exposição referente ao 4.º Prémio Internacional Frate Sole, que distingue espaços religiosos. A mostra é composta por 17 paineis, onde se encontram o Primeiro e Segundo Prémios, Menções Honrosas e Projetos Finalistas.

Rui Chafes: Inferno (A minha fraqueza é muito forte)
O artista tem de perder a luta contra o anjo, tem de sentir o nada, para que, então, a sua fraqueza seja muito forte. Para que possa vencer. O artista tem de assumir e alimentar a sua vulnerabilidade, ser capaz de se ferir, de se abrir: como dar atenção de outro modo? É dessa fraqueza que receberá a força. A fragilidade é a sua verdade – e por isso é a única força que o pode libertar. Simone Weil dizia que “quando um aprendiz se fere ou se queixa de cansaço, os operários, os camponeses, têm estas belas palavras: “É o ofício que entra no corpo”. De cada vez que suportamos uma dor, podemos dizer-nos, com verdade, que é o universo, a ordem do mundo, a beleza do mundo, a obediência da criação a Deus que nos entram no corpo”.

É novo » 27.9.2011

Cinema: A morte de Carlos Gardel | VÍDEO | | IMAGENS |
Um drama que de forma metafórica nos fala da morte dos homens e dos mitos e que de forma destemida enfrenta a solidão, a decadência, a disfunção no seio de uma família que há muito perdeu identidade. Com três décadas de carreira e 18 filmes dirigidos, a realizadora e encenadora sueca Solveig Nordlund volta a mergulhar no universo de António Lobo Antunes, depois de “Escrever, Escrever, Viver”, em 2009. Nesse documentário sobre a vida do escritor descobrimos já algumas alusões ao tango e acedemos a outros tantos excertos de “A Morte de Carlos Gardel”.

Coimbra: Apresentação de “Mysterium Crucis”, canto gregoriano da Semana Santa
O disco “Mysterium Crucis”, com obras do repertório gregoriano da Semana Santa interpretadas pela Capela Gregoriana Psalterium, vai ser apresentado a 15 de outubro na Sé Velha de Coimbra. O programa inclui a audição de excertos do CD.

Lisboa: Concerto na igreja de Fátima marca inauguração de órgão restaurado
A paróquia da igreja de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Lisboa, realiza a 7 de outubro o concerto de inauguração do órgão restaurado, com obras interpretadas por Antoine Sibertin-Blanc, organista titular da Sé Patriarcal.

É novo » 26.9.2011

Igreja Católica evoca Júlio Resende
«Falar do homem, da natureza, da esperança, da simplicidade, da atenção ao outro, da interioridade, da sua fé em Jesus Cristo e pertença à Igreja, é referir a ilustre pessoa do Pintor Júlio Resende, como um verdadeiro humanista cristão», disse na homilia da missa exequial o bispo D. João Lavrador, um dos vogais da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais.

Tudo o que eu sei sobre os animais
Um dos poemas de Walt Whitman que gostaria de ter escrito diz assim: «Creio que uma folha de erva não vale menos do que a jornada das estrelas,/ E que a formiga não é menos perfeita, nem um grão de areia, nem um ovo de carriça,/ E que o sapo é uma obra prima para o mais exigente,/[…]E que a vaca ruminando com a cabeça baixa supera qualquer estátua,/E que um rato é milagre suficiente para fazer vacilar milhões de infiéis».

É novo » 15.9.2011

Leitura: Pai-nosso que estais na terra
“Pai-nosso, que estais nos céus”: as primeiras palavras da mais importante oração cristã situam a morada da divindade no firmamento mas o novo livro do padre José Tolentino Mendonça convida o leitor a procurar Deus na terra. Ouvir o conselho dos não-crentes, olhar a oração como aprendizagem interminável e entender o quotidiano como experiência permanente de espiritualidade são algumas das orientações propostas pelo poeta neste volume.

Abraçados podemos voar
O fundamental é vislumbrado e servido em completa dádiva, acontece sem porquês, no âmbito de uma gratuidade infatigável, numa geografia sem condições nem reservas. O amor não se explica: implica-se. É uma voluntária hipoteca, um sigilo de sangue, entrelaçamento vital. Os enamorados conspiram com o milagre e, por isso, tornam-se, de forma tão íntima, cúmplices de Deus.

É novo » 7.9.2011

O que resta do Pai?
A nossa cultura tem praticado, com razões mas sem razão, uma demolição sistemática da figura do pai. O pai deixou de ser referência de valor para avaliarmos o sentido, para delinearmos a fronteira do bem e do mal, da vida e da morte. Vivemos muito mais uma suspeita permanente em relação ao que o pai representa ou mergulhados num luto obsidiante, promovendo o desencanto e a incerteza ao estatuto de novas formas de felicidade (e de ilusão).

A Nova Aliança: uma instalação a não perder
Numa época em que tão grandes desafios se nos apresentam nas dimensões referidas e em que parte do mundo, sobretudo o ocidental, se interroga sobre os paradigmas que têm regido a sua forma de vida e sustentação, uma reflexão desta natureza só pode ser bem-vinda, merecendo especial atenção a forma como pode ser encarado o renovar de uma aliança com Deus e, por Si, com o nosso semelhante.

Apocalipse e Sermão das Cinzas editados em CD
Os CD’s áudio do livro do “Apocalipse” e do “Sermão das Cinzas”, do padre António Vieira, lidos pelo ator e encenador Luís Miguel Cintra, vão ser apresentados em Lisboa esta sexta-feira.